Número de cirurgias bariátricas aumenta 85% em sete anos no Brasil

No ano de 2018, foram realizadas 63.969 cirurgias bariátricas no Brasil. O número total de procedimentos é 4,38% maior do que em 2017, com 61.283 cirurgias, segundo balanço feito pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Metabólica e Bariátrica (SBCBM), divulgado pela Agência Brasil

Os dados mostram que, em oito anos, o número de cirurgias bariátricas aumentou 84,73%, sendo realizadas durante o período, aproximadamente, 424 mil cirurgias da obesidade no país. Em 2016 foram 62.227 cirurgias, em 2015, foram realizadas 58.686; em 2014, 53.156; em 2013 a marca foi de 50.321; em 2012 40.411 e em 2011, 34.629 procedimentos foram realizados.

Fonte: Sociedade Brasileira de Cirurgia Metabólica e Bariátrica (SBCBM)

No entanto, o dilema enfrentado pela SBCBM envolve a quantidade de pacientes elegíveis para a realização da cirurgia. O total de procedimentos feitos ano passado (63.969) representa 0,47% da população obesa elegível à cirurgia bariátrica e metabólica no Brasil, ou seja, com índice de Massa Corporal (IMC) acima de 35.

A última pesquisa Vigitel, em 2017, divulgada pelo Ministério da Saúde, apontou que 41,6 milhões de pessoas possui IMC acima de 30. Destes, 13,6 milhões, possuem IMC acima de 35. Segundo o presidente da SBCBM, Dr. Marcos Leão Villas Bôas, o tratamento cirúrgico segue na mesma direção do crescimento da obesidade, tendo em vista este é o maior índice de prevalência da obesidade dos últimos 13 anos, com 67,8% de aumento.

Fonte: Sociedade Brasileira de Cirurgia Metabólica e Bariátrica (SBCBM)

Os dados mostram ainda que, das 63.969 cirurgias bariátricas realizadas em 2018, 77,4% foram através de convênio médico; 17,8% foram pelo SUS e 4,8%, com recursos particulares.

Cirurgias por planos de saúde

O número de cirurgias bariátricas em planos de saúde teve um aumento de 79,36%, de 27.610 em 2011 para 49.521 em 2018. No entanto, ainda de acordo com a Sociedade Brasileira de Cirurgia Metabólica e Bariátrica, os números de procedimentos enfrentam estagnação nos últimos três anos. Os principais motivos seriam a crise financeira e a alta taxa de desemprego.

Quem pode operar?

Segundo a SBCBM, A cirurgia bariátrica é indicada para pacientes com falha no tratamento clínico realizado por, pelo menos, 2 anos e obesidade mórbida instalada há mais de cinco anos, considerando Índice de Massa Corpórea (IMC) entre 35 kg/m² e 39,9 kg/m², com comorbidades, ou pacientes com IMC igual ou maior do que 40 kg/m², com ou sem comorbidades.

No Brasil, o custo da obesidade está estimado em R$ 84.3 bilhões por ano. Além disso, 69.3% do total de mortes são atribuídos a doenças crônicas não transmissíveis, como doenças cardiovasculares (30,4%), neoplasias (16.5%), doenças respiratórias (6,0%) e o diabetes (5,3%) – muitas associadas à obesidade.


Isadora Osório
Jornalista pela ESPM-Poa. Entusiasta pelas boas energias da vida e seus aprendizados. Em constante busca por desafios, evolução e networking. Atualmente, em especialização na área da saúde e bem-estar

Faça um comentário

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Redes Sociais

2,677FãsCurtir
603SeguidoresSeguir
54SeguidoresSeguir

Atualizações

Aplicativo Coronavírus-SUS ajudará a rastrear contatos de infectados com covid-19

O sistema conserva a privacidade, tanto do paciente infectado como da pessoa que recebe a notificação da possível exposição com o caso confirmado para a covid-19.

OMS alerta jovens sobre covid-19 “não são invencíveis”

Apesar dos jovens não serem a maioria dos mortos pela Covid-19, não se sabe quais serão os efeitos a longo prazo da infecção.

O que os números dizem sobre o novo coronavírus e a Covid-19 no Brasil

A contagem de pessoas infectadas desde o início da pandemia atingiu o total de 2,5 milhão.

Sua autoestima não depende só do que você vê no espelho

A busca por uma melhor autoestima tem sido, cada vez mais, um dos motivos para iniciar um...

Rússia anuncia que deve aprovar vacina contra coronavírus em agosto

O país, no entanto, ainda não apresentou dados científicos que comprovem a segurança e a eficácia do medicamento.