Novo exame poderá evitar biópsias desnecessárias para câncer de próstata

Um novo exame de sangue poderá auxiliar pacientes com suspeita de câncer de próstata a evitar biópsias desnecessárias e invasivas. A combinação entre o novo teste desenvolvido junto com os resultados do antígeno prostático específico (PSA) – exame de sangue que que avalia a quantidade da proteína que a próstata produz – pode fornecer um diagnóstico de câncer de próstata com mais de 90% de precisão. O resultado deu-se a partir de um estudo divulgado pelo Journal Of Urology.

O câncer de próstata é o tumor que afeta a próstata, glândula localizada abaixo da bexiga e que envolve a uretra, canal que liga a bexiga ao orifício externo do pênis. Este câncer é o mais frequente entre os homens. Segundo o Ministério da Saúde, as estimativas apontam 68.220 novos casos em 2018, o que corresponde a um risco estimado de 66,12 casos novos a cada 100 mil homens, além de ser a segunda causa de morte por câncer em homens no Brasil, com mais de 14 mil óbitos.

No estudo, os pesquisadores realizaram o novo exame em 98 homens que ainda não haviam feito uma biópsia e outros 155 que haviam acabado de receber um diagnóstico positivo da doença, mas ainda não haviam sido submetidos a tratamento. A partir disso, observou-se que a presença de células tumorais circulantes nas amostras de sangue pré-biópsia era preditiva de câncer de próstata agressivo detectado pelas biópsias subsequentes.

Todos os pacientes participantes estavam no Hostpital Sr. Bartholomew’s, em Londres, Reino Unido.

Além disso, a partir do nível de células tumorais circulantes, os pesquisadores puderam avaliar a agressividade do câncer. Assim, com a combinação do teste junto com o exame PSA, o teste de células tumorais circulantes foi capaz de prever com precisão de 90% que homens receberiam um diagnóstico agressivo de câncer de próstata a partir dos resultados das biópsias.

O objetivo do estudo, segundo o autor Dr. Young-Jie Lu, professor de oncologia molecular no Instituto Barts Cancer da Universidade Queen Mary, era desenvolver abordagens diagnósticas não-invasivas ou mínimas mais precisas para evitar biópsia e diagnóstico excessivo desnecessários da próstata.

Método de diagnóstico atual

O diagnóstico, a partir do Instituto Nacional do Câncer (INCA), o câncer de próstata pode ser identificado com a combinação de dois exames: a dosagem de PSA e o toque retal. No entanto, nenhum dos exames têm 100% de precisão. Por isso, estudos e pesquisas se tornam importantes no avanço para a confirmação do diagnóstico e o tratamento precoce.

É importante destacar que as informações divulgadas no Infohealth têm por objetivo fornecer informações e dados úteis sobre o câncer de próstata e a saúde. No entanto, não substituem, em hipótese alguma, a consulta médica. Em caso de suspeita, consulta um médico especialista.

Isadora Osório Silveira
Jornalista pela ESPM-Poa. Entusiasta por desafios, evolução e networking. Atualmente, em especialização na área da saúde e bem-estar.

Faça um comentário

Deixe seu comentário

Artigos Relacionados

Redes Sociais

3,193FãsCurtir
603SeguidoresSeguir
56SeguidoresSeguir

Atualizações

Pessoas que contraíram covid-19 podem doar sangue após 30 dias

Até o momento, não houve evidências científicas de que o Sars-CoV-2 possa ser transmitido através de transfusões de sangue. Mesmo assim, os bancos de sangue e hemocentros têm tido cautela em relação ao assunto, como prevenção.

Pfizer inicia processo de registro para vacina contra Covid-19 na Anvisa

Para agilizar a análise dos documentos, a Anvisa determinou que os laboratórios que desenvolvem vacinas contra a covid-19 registrem os resultados progressivamente.

Câncer de pênis: Mais de mil homens têm o órgão amputado por falta de higiene no Brasil

A má higiene íntima, fimose, HPV, uso de tabaco, relações sexuais desprotegidas e falta de informação são algumas das principais causas da doença.

Substância presente em chá de Ayahuasca estimula formação de novos neurônios

Estudo de universidade espanhola mostra que substância alucinógena pode contribuir para tratamento de doenças psiquiátricas e neurodegenerativas.

Cientistas revertem o processo de envelhecimento humano pela primeira vez

Uma nova pesquisa descobriu que tratamentos com oxigênio de alta pressão podem reverter dois processos associados ao envelhecimento e suas doenças.