Brasil é o segundo país do mundo em número absoluto de transplantes

No Dia Nacional de Incentivo à Doação de Órgãos (27), o Ministério da Saúde divulgou balanço sobre a doação de órgãos, tecidos e células, além de transplantes realizados no primeiro semestre de 2019. Os dados apontaram crescimento de transplantes considerados mais complexos, ou seja, mais difíceis de serem realizados devido a empasses como curto espaço de tempo entre retirada e implante do órgão, estrutura necessária e equipes especializadas.

O material registra um aumento de 26,8 dos transplantes de medula óssea, passando de 1.404 para 1.780. Já os transplantes de coração cresceram 6,3%, passando de 191 para 203.

Em comparação com o mesmo período de 2018, com 13.291 transplantes realizados, o Brasil manteve o número no primeiro semestre de 2019, com o total de 13.263. Dez estados apresentaram crescimento: Bahia, Distrito Federal, Espírito Santo, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Paraná, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo.

Com o aumento no número de doadores efetivos, ou seja, aqueles que iniciaram a cirurgia para a retirada de órgãos, o Brasil deve fechar 2019 com taxa de 17 doadores efetivos por milhão da população (PMP), ultrapassando a meta do Plano Plurianual do Ministério da Saúde, que previa o alcance de 15 doadores efetivos PMP para este ano. Em números absolutos, o país deve alcançar 3.530 doadores efetivos este ano.

Segundo o Ministério da Saúde, observou-se um aumento dos consentimentos familiares para a doação de órgãos, atribuindo ao trabalho de divulgação de informações. A taxa de autorização chegou a uma média de 60% neste ano. No entanto, 40% das famílias dos possíveis doadores continuam dizendo ‘não’ à doação.

Por isso, é importante que os parentes e pessoas próximas saibam da vontade do seu familiar em ser doador.

De acordo com a Associação Brasileira de Transplante de Órgãos (ABTO), o Brasil é o segundo país do mundo em número absoluto de transplantes. Além disso, possui o maior programa público de transplante de órgãos, tecidos e células do mundo, que é garantido a toda a população por meio do Sistema Único de Saúde (SUS), responsável pelo financiamento de cerca de 95% dos transplantes do país.

O Sistema Nacional de Transplantes é formado pelas 27 Centrais Estaduais de Transplantes; 13 Câmaras Técnicas Nacionais; 619 estabelecimentos; 1.157 equipes de transplantes; 574 Comissões Intra-hospitalares de Doações e Transplantes; e 72 Organizações de Procura de Órgãos (OPOs).


Campanha Nacional

Todos os anos, no dia 27 de setembro, o Ministério da Saúde lança uma nova campanha de conscientização sobre a doação de órgãos. Em 2019, o slogan é “A vida continua. Doe órgãos. Converse com sua família”.


Como ser um doador de órgãos?

No Brasil, a doação de órgãos só será feita após a autorização familiar. Ou seja, ao ter interesse em ser doador, primeiramente é preciso avisar os familiares sobre o desejo e deixar claro que devem autorizar a doação.

Os órgãos doados vão para pacientes que necessitam de um transplante e estão aguardando em lista única, definida pela Central de Transplantes da Secretaria de Saúde de cada estado e controlada pelo Sistema Nacional de Transplantes (SNT).

Isadora Osório Silveira
Jornalista pela ESPM-Poa. Entusiasta por desafios, evolução e networking. Atualmente, em especialização na área da saúde e bem-estar.

Faça um comentário

Deixe seu comentário

Artigos Relacionados

Redes Sociais

3,814FãsCurtir
603SeguidoresSeguir
56SeguidoresSeguir

Atualizações