Vídeo game monitora ondas cerebrais para tratar o TDAH

0
419

A Organização Mundial da Saúde estima que o Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) afeta até 5% das crianças no mundo. Caracterizado como um distúrbio neurobiológico, de causas genéticas, o TDAH aparece na infância e frequentemente acompanha o indivíduo por toda a sua vida. Tem como característica sintomas como desatenção, inquietude e impulsividade.

Embora existam vários medicamentos para tratar o TDAH, eles podem provocar alguns efeitos colaterais graves e indesejados. Pensando nisso, pesquisadores de Singapura desenvolveram um jogo interativo de treinamento cerebral personalizado e inovador, que combina neuromonitoramento com vídeo game para ajudar as crianças a melhorar seus sintomas de TDAH.

A pesquisa e o desenvolvimento foram realizados pelo Instituto de Saúde Mental (IMH), da Faculdade de Medicina Duke-NUS e Agência de Ciência, Tecnologia e Pesquisa A*STAR.

Até agora, um estudo controlado randomizado do protótipo da tecnologia, com 172 crianças com idades entre 6 e 12 anos, foi realizado com sucesso no laboratório. Já a versão mais completa da tecnologia está sendo oferecida a um grupo seleto de crianças para levar para casa.

Screen Shot 2019 10 30 at 7.39.58 AM min
Foto: Neeuro

O sistema é composto pelo dispositivo de eletroencefalografia da Neeuro — empresa global de tecnologia BCI —, chamada “SenzeBand”, e um tablet Samsung. 

A criança coloca a banda de leitura de ondas cerebrais na cabeça e inicia o jogo. O sistema rastreia o foco mental e ajusta a jogabilidade de acordo com o seu desempenho.

O jogo

Chamado CogoLand, o jogo foi desenvolvido utilizando a tecnologia Brain-Computer Interface (BCI) que incorpora algoritmos de aprendizado de máquina para personalizar o treinamento da atenção, a fim de complementar o tratamento principal do TDAH. 

O objetivo do jogo é mover um personagem através de um labirinto. No entanto, a inovação é que os movimentos do personagem só podem ser controlados por ondas cerebrais. Ao manter a mente focada no personagem, o personagem avança. Uma perda de foco resulta no caráter mais lento ou parado. Em níveis mais altos, o usuário também precisa pressionar um botão na tela de toque para fazer o personagem pular enquanto se move ao mesmo tempo.

ADHD video game 2
Foto: Neeuro

Os usuários devem emparelhar o aplicativo móvel CogoLand com um Neeuro SenzeBand para a detecção de ondas cerebrais. O usuário veste o dispositivo, que possui seis sensores para rastrear suas ondas cerebrais. Os algoritmos de aprendizado de máquina capturam e interpretam os estados mentais dos usuários com base em suas ondas cerebrais e, posteriormente, geram vários desafios no jogo.

As ondas cerebrais e os dados de saúde são capturados através da faixa de cabeça SenzeBand e serão transmitidos em tempo real via tecnologia sem fio Bluetooth para o CogoLand. A Neeuro fez uma parceria com a Samsung para que o aplicativo seja implantado em seus tablets, aproveitando a solução de segurança móvel Samsung Knox.

Segundo o estudo, as crianças submetidas a treinamento usando o sistema apresentaram melhorias nas áreas cerebrais dedicadas à atenção e orientação à tarefa, que foi confirmado pelo uso da ressonância magnética funcional (RMf).

Sobre o TDAH

A Organização Mundial da Saúde (OMS) reconhece o TDAH (Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade) como um transtorno de origem neurobiológico, de causas genéticas, que afeta mais de 3 a 5% das crianças durante a fase escolar. O TDAH também é conhecido como Distúrbio de Déficit de Atenção.

Segundo a Associação Brasileira de Déficit de Atenção (ABDA), a prevalência é maior entre os meninos. Uma das características mais fortes é a dificuldade para manter o foco nas atividades e a agitação motora, o que podem prejudicar o aproveitamento escolar.

No Brasil, a Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS (Conitec) e o Ministério da Saúde lançaram uma consulta pública, que estará aberta até dia 25 de novembro de 2019, para elaboração de Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas (PCDT), a fim de apresentar as recomendações para diagnóstico e tratamento de pessoas com TDAH.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here