Gordura trans deve ser banida de alimentos industrializados até 2023

A Agência Nacional de Vigilância na Saúde (Anvisa) aprovou nesta terça-feira (17), novas regras que visam limitar e até banir o uso de gordura trans em alimentos até 2023.

gordura trans, também conhecida como gordura vegetal hidrogenada, geralmente está presente nos alimentos industrializados. Ela é usada nos alimentos com o objetivo de melhorar a textura e aumentar o prazo de validade, conservando por mais tempo.

Segundo a Anvisa, a medida visa proteger a saúde da população, “uma vez que o consumo elevado dessas gorduras é nocivo à saúde por favorecer o surgimento de problemas cardiovasculares, como o entupimento de artérias que irrigam o coração, e aumentar o risco de morte por essas doenças”. A proposta de Resolução de Diretoria Colegiada (RDC) foi aprovada por unanimidade, durante a 31ª Reunião da Diretoria Colegiada (Dicol), em Brasília (DF).

A Organização Mundial da Saúde (OMS) alerta que ao menos 5 bilhões de pessoas em todo o mundo convivem com os riscos de desenvolver doenças associadas ao uso das gorduras trans industrial, causando cerca de 500 mil mortes a cada ano.


Perigos da Gordura Trans

• Aumento do colesterol total e do LDL – colesterol ruim.
• Diminuição nos níveis de HDL – colesterol bom.
• Aumento da gordura visceral, que se acumula na região abdominal.
• Aumento no risco de doenças como diabetes, hipertensão, hipercolesterolemia, hipertrigliceridemia, sobrepeso e obesidade.
• Aumento no risco de entupimento das artérias.


Etapas da implementação das novas regras

As novas regras serão divididas em três fases para a implementação.

A primeira etapa terá como foco a imposição de limites de gorduras trans industriais na produção de óleos refinados, impondo o limite de 2% nesses produtos. O prazo para adequação é de cerca de 8 meses, ou seja, a restrição valerá a partir de 1º de julho 2021.

A outra fase será de restrição de gordura trans industrial para os demais alimentos, também com o limite de 2% de gorduras trans industriais do total de gordura presente nos alimentos em geral, industrializados e comercializados no varejo e atacado. A pretensão é ampliar a proteção à saúde, alcançando os produtos que são vendidos diretamente aos consumidores e oferecidos nos serviços de alimentação. Essa restrição vai começar entre 1º de julho de 2021 e 1º de janeiro de 2023.

No entanto, há uma exceção: a regra não valerá para alimentos destinados exclusivamente para fins industriais, portanto usados como matérias-primas.

Na última fase, a medida prevê a proibição do ingrediente gordura parcialmente hidrogenada, a principal fonte de gorduras trans industriais nos alimentos, a partir de 1º de janeiro de 2023.


Um alerta para a saúde

A indústria de alimentos utiliza a gordura trans há muito tempo, mas foi a partir dos anos 1990 que suspeitas e evidências dos riscos à saúde da população começaram a aparecer. Desde 2004, a Organização Mundial da Saúde (OMS) alerta sobre esse ingrediente a e vem publicando recomendações e estratégias globais para reduzir o consumo de gordura trans, sendo a última de 2018.    

Hoje, 49 países já contam com medidas regulatórias. Entre eles estão Estados Unidos, Canadá, Chile, Argentina, África do Sul, Irã e nações da União Europeia.

Segundo a Anvisa, o volume de produção anual de gordura trans no Brasil caiu de 591.244 toneladas em 2013 para 516.525 toneladas em 2017. A estimativa é que, em 2026, a produção seja de 71.865 toneladas. Apesar da redução, o Brasil é o país das Américas com maior volume de produção de gordura trans, com quase 35% e superando os Estados Unidos.     


Quais alimentos são ricos em gordura trans?

Alimentos industriais, como:

  • Frituras;
  • Sorvetes;
  • Batata frita;
  • Hambúrguer congelado;
  • Salgadinhos;
  • Mistura prontas para bolos e bolachas;
  • Biscoitos recheados;
  • Margarina;
  • Comidas congeladas;
  • Pizzas congeladas;
  • Gordura vegetal;
  • Achocolatados e vitaminas prontas.

Além de outros alimentos industrializados.


No site do Ministério da Saúde também é possível acessar uma cartilha, o Guia Alimentar para a População Brasileira, lançado em 2014, com recomendações para uma alimentação saudável.

Isadora Osório
Jornalista pela ESPM-Poa. Entusiasta pelas boas energias da vida e seus aprendizados. Em constante busca por desafios, evolução e networking. Atualmente, em especialização na área da saúde e bem-estar

Faça um comentário

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Redes Sociais

2,679FãsCurtir
603SeguidoresSeguir
54SeguidoresSeguir

Atualizações

“Bala de prata” contra covid-19 pode nunca existir, diz OMS

Comitê de Emergência da OMS prevê que pandemia de covid-19 dure muito tempo e, por isso, é necessário continuar os esforços para sua contenção.

Aplicativo Coronavírus-SUS ajudará a rastrear contatos de infectados com covid-19

O sistema conserva a privacidade, tanto do paciente infectado como da pessoa que recebe a notificação da possível exposição com o caso confirmado para a covid-19.

OMS alerta jovens sobre covid-19 “não são invencíveis”

Apesar dos jovens não serem a maioria dos mortos pela Covid-19, não se sabe quais serão os efeitos a longo prazo da infecção.

O que os números dizem sobre o novo coronavírus e a Covid-19 no Brasil

A contagem de pessoas infectadas desde o início da pandemia atingiu o total de 2,5 milhão.

Sua autoestima não depende só do que você vê no espelho

A busca por uma melhor autoestima tem sido, cada vez mais, um dos motivos para iniciar um...