Câncer nos olhos: a importância da visita ao oftalmologista

O verão chegou há pouco tempo e as temperaturas elevadas já preocupam muitas pessoas, com razão. Os danos causados pelos raios ultravioletas do sol vão além de fortes queimaduras, desidratação e sufoco. Além do perigo do câncer de pele, uma doença que ganha pouca atenção é o melanoma ocular – câncer nos olhos.

Este tipo de câncer atinge células produtoras de melanina, pigmento responsável pela coloração da pele e dos olhos – é o câncer de olho mais comum em pessoas adultas, mas, geralmente, não apresenta sintomas e pode evoluir com gravidade, causando metástase, ou seja, espalhando-se para outros órgãos do corpo.

Se não tratado, pode ocasionar cegueira. As chances de sucesso no tratamento aumentam quando o tumor maligno é descoberto ainda no estágio inicial da doença. Por isso, visitas frequentes ao oftalmologista, além da realização de exames de rotina, podem ajudar a prevenir a doença.

“Os pacientes podem não apresentar nenhum sinal de que algo esteja errado, e o tumor ser percebido durante o exame de rotina com o oftalmologista. Em outros casos, o melanoma pode causar alterações ou dificuldades visuais que fazem o paciente procurar uma ajuda médica que acaba resultando na descoberta da doença”, destaca a oncologista do Centro Paulista de Oncologia (CPO), Sheila Ferreira, em entrevista à Agência Brasil.


Câncer de pele: como é e quais são os principais cuidados?

Verão 2020: como manter a alimentação equilibrada nas férias


Na infância, o tipo de câncer que pode atingir a saúde ocular é o retinoblastoma, que é o câncer intraocular mais comum, afetando um em cada 20 mil nascidos vivos, com maior incidência nas crianças com menos de 5 anos.

Segundo a médica, a causa do melanoma ocular é desconhecida, mas alguns fatores de risco para o desenvolvimento da doença já foram identificados.

Fatores de risco

  • O risco de melanoma ocular é maior em homens;
     
  • Pessoas com olhos, cabelo e pele claros são mais propensas a desenvolver a doença.
     
  • Melanomas oculares podem ocorrer em qualquer idade, mas o risco aumenta à medida que as pessoas envelhecem.
     
  • As pessoas que têm a síndrome do nevo displásico, ou seja, verrugas ou pintas irregulares na pele, têm maior risco.

De acordo com a especialista Sheila Ferreira, fatores ambientais parecem não ter relação com o melanoma ocular e sua associação com exposição solar é incerta. A radiação ultravioleta, no entanto, parece predispor a outro tipo de câncer, o melanoma de conjuntiva (membrana transparente que recobre a parte branca do olho) e palpebral.

“Por isso, o uso de óculos escuros pode contribuir para a prevenção da doença nessas regiões do olho. Usar chapéus de aba larga e bonés também pode resguardar os olhos dos raios ultravioletas”, ressalta.

É importante destacar também que a doença não se desenvolve apenas em quem apresenta fatores de risco. Para um diagnóstico correto e seguro, é fundamental visitas frequentes a um oftalmologista ou outro profissional de saúde.


Lembre-se de cuidar do seu corpo e sua saúde, mesmo que esteja aproveitando as férias 🙂


Crise de asma na gravidez pode aumentar o risco de complicações

Isadora Osório
Jornalista pela ESPM-Poa. Entusiasta pelas boas energias da vida e seus aprendizados. Em constante busca por desafios, evolução e networking. Atualmente, em especialização na área da saúde e bem-estar

Faça um comentário

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Redes Sociais

2,679FãsCurtir
603SeguidoresSeguir
54SeguidoresSeguir

Atualizações

“Bala de prata” contra covid-19 pode nunca existir, diz OMS

Comitê de Emergência da OMS prevê que pandemia de covid-19 dure muito tempo e, por isso, é necessário continuar os esforços para sua contenção.

Aplicativo Coronavírus-SUS ajudará a rastrear contatos de infectados com covid-19

O sistema conserva a privacidade, tanto do paciente infectado como da pessoa que recebe a notificação da possível exposição com o caso confirmado para a covid-19.

OMS alerta jovens sobre covid-19 “não são invencíveis”

Apesar dos jovens não serem a maioria dos mortos pela Covid-19, não se sabe quais serão os efeitos a longo prazo da infecção.

O que os números dizem sobre o novo coronavírus e a Covid-19 no Brasil

A contagem de pessoas infectadas desde o início da pandemia atingiu o total de 2,5 milhão.

Sua autoestima não depende só do que você vê no espelho

A busca por uma melhor autoestima tem sido, cada vez mais, um dos motivos para iniciar um...