Cientistas descobrem célula com potencial para tratar todos os tipos de câncer

Uma equipe de pesquisadores da Universidade de Cardiff, no País de Gales, encontrou uma célula imune que pode levar à criação de um tratamento contra a maioria dos tipos câncer. “Anteriormente, ninguém acreditava que isso fosse possível”, afirmou o principal autor do estudo e especialista em células T da Faculdade de Medicina da Universidade de Cardiff, Andrew Sewell.

A descoberta foi publicada na revista científica Nature Immunology, mas ainda não foi testada em pacientes. No entanto, os pesquisadores acreditam que, embora o trabalho ainda esteja em estágio inicial, a descoberta tem “enorme potencial”, afirma a rede britânica BBC.

Um dos avanços mais recentes no tratamento do câncer foi o desenvolvimento da imunoterapia com CAR-T. Esse tratamento é altamente personalizado para cada paciente, mas tem como alvo apenas alguns tipos de câncer e não tem sido bem-sucedida em tumores sólidos.

Neste caso, a equipe descobriu que o novo tipo de célula T pode encontrar e matar grande diversidade de células cancerígenas, incluindo as presentes no câncer de pulmão, pele, sangue, mama, osso, próstata, ovário, rim e colo do útero.


Como funciona?

As células T são um tipo de glóbulo branco envolvido na função do nosso sistema imunológico. Quando as células T são ativadas entrando em contato com células defeituosas ou estranhas no corpo, elas as atacam, ajudando-nos a combater infecções e doenças.

As terapias com células T para o câncer funcionam a partir da remoção das células do sistema imunológico, depois são modificadas e devolvidas ao sangue do paciente para buscar e destruir as células cancerígenas. Esse é o mais recente padrão nos tratamentos contra o câncer.

A terapia mais usada, conhecida como CAR-T, é personalizada para cada paciente, no entanto tem como alvo apenas alguns tipos de câncer e não tem sido bem-sucedida em tumores sólidos, que constituem a grande maioria dos casos.

Os pesquisadores, portanto, descobriram agora uma nova célula T que reconhece e mata a maioria dos tipos de câncer humano, enquanto ignora as células saudáveis.

Esse novo tipo de receptor de células T (TCR) reconhece uma molécula presente na superfície de uma ampla gama de células cancerígenas, bem como em muitas das células normais do corpo, mas, notavelmente, é capaz de distinguir entre células saudáveis ​​e células cancerígenas, matando apenas as últimas.

Os pesquisadores disseram que isso significava que ele oferecia “oportunidades empolgantes para imunoterapias de pan-câncer, pan-população”, que anteriormente não eram possíveis.


Células T atacando o câncer.
Fonte: Universidade de Cardiff

“A nossa descoberta aumenta a perspectiva para os tratamentos contra o câncer. Esse tipo de célula pode ser capaz de destruir muitos tipos diferentes da doença. Antes, ninguém achava que isso fosse possível. Essa foi uma descoberta acidental, ninguém sabia que essa célula existia”, contou Sewell ao The Telegraph.

Isadora Osório Silveira
Jornalista pela ESPM-Poa. Entusiasta por desafios, evolução e networking. Atualmente, em especialização na área da saúde e bem-estar.

Faça um comentário

Deixe seu comentário

Artigos Relacionados

Redes Sociais

3,128FãsCurtir
603SeguidoresSeguir
55SeguidoresSeguir

Atualizações

Somente 1% de adolescentes do sexo masculino vai ao médico

Pesquisa foi feita com 267 estudantes de escolas públicas e privadas de 12 estados brasileiros de ambos os sexos, sendo 170 meninos e 87 meninas.

Doutor, você errou: breves dilemas e diretrizes sobre a caracterização do erro médico.

O erro aflige não somente o paciente que sofreu a intervenção médica ou o tratamento incorreto, mas também o médico envolvido, que terá de arcar com sérias consequências jurídico-disciplinares em função do equívoco.

Hepatites virais somam 40 mil casos no Brasil

No ano passado, de acordo com o Ministério da Saúde, foram notificados 37.773 casos da doença, que pode ser causada por cinco tipos de vírus: A, B, C e D.

Estudo com 50 mil pessoas aponta segurança da Coronavac contra covid-19

Instituto Butantan conduz no Brasil os testes clínicos da vacina contra o coronavírus na fase 3, realizados em quase 6 mil voluntários.

Johnson inicia teste final da vacina para Covid-19 em 60 mil pessoas

A Johnson & Johnson anunciou nesta quarta-feira (23) o início do ensaio final da potencial vacina a Covid-19, de injeção única, com...