Por que ter um sono com qualidade é tão importante?

O sono é uma necessidade básica do organismo, assim como se alimentar ou beber água. Não é à toa que os seres humanos ficam, em média, um terço da vida dormindo. No entanto, para aproveitar todos os benefícios, é preciso conseguir dormir na quantidade certa e com qualidade.

O sono é importante para inúmeras funções cerebrais, afetando quase todos os tipos de tecidos e sistemas do corpo — cérebro, coração, pulmões, até metabolismo, função imunológica, humor e resistência a doenças. Segundo o Comitê de Medicina do Sono e Pesquisa do Instituto de Medicina (OIM), dos Estados Unidos, a falta de sono está associada a um risco aumentado de obesidade: quanto menor o tempo que uma pessoa dorme, maior o risco de serem obesos, com base no Índice de Massa Corporal (IMC).

Essa associação, de acordo com os dados, parece ser causada pela falta de sono, pois diminui os níveis de leptina — um hormônio que suprime o apetite — e aumenta os níveis de grelina — um peptídeo que estimula o apetite. A medida em que são alterados pela insônia, resultam em comer mais e ganhar peso

A saúde mental também é afetada pelo quão bem uma pessoa dorme. A falta de sono pode ser causada por outras condições de saúde mental que uma pessoa está passando e impactar essas condições. O distúrbio do sono é, de fato, um critério de diagnóstico para alguns distúrbios da saúde mental, incluindo a depressão.

Inúmeras condições de saúde envolvem insônia, como o abuso de substâncias; distúrbios alimentares; humor, ansiedade e distúrbios psicóticos.


Ciclos do sono

O sono é dividido em ciclos de 90 minutos de sono ocular rápido (REM) — fase com intenso movimento ocular e cerebral — e o sono ocular não rápido (NREM).

Na fase REM, acontece o descanso profundo e liberação de hormônios, além do repouso da mente. É uma fase de extrema importância para a recuperação da energia física. Nela também é quando acontece uma intensa atividade cerebral e a consolidação a consolidação da memória.

Já a fase NREM se divide em três estágios:

1º Estágio: sonolência, quando se inicia a transição do sono leve para o mais profundo.

2º Estágio: a atividade cardíaca é reduzida e os músculos ficam relaxados, nela também acontece a desconexão do cérebro com os estímulos do mundo real.

3º Estágio: caracterizada pelo descanso da atividade cerebral e pelo sono profundo, o que acontece em média 40 minutos por noite.


Dicas para dormir melhor

  • Vá para a cama somente quando estiver com sono, respeitando o horário de dormir;
  • Desligue a televisão e outros aparelhos eletrônicos que tiram a atenção;
  • Mantenha uma rotina de preparação para dormir, assim como para acordar;
  • Tomar um banho morno duas ou três horas antes de deitar pode ser benéfico;
  • Crie um ambiente escuro e agradável;
  • Evite dormir mais que o necessário;
  • Evite discussões ou algum estresse no início da noite;
  • Não tome medicamentos para o sono sem prescrição médica;
  • Pratique terapias de relaxamento, como meditação e respiração profunda;
  • Identifique o melhor lugar e posição para dormir, incluindo os travesseiros;
  • Evite cochilos prolongados ao longo do dia. O mais indicado são apenas 30 minutos após o almoço;
  • Evite estimulantes como café, chocolate, refrigerantes e fumar cigarro por pelo menos 6h antes de dormir;
  • Tenha uma alimentação balanceada e pratique pelo menos 20 minutos de alguma atividade física no seu dia.

Caso ainda sinta muita dificuldade em dormir e a falta de sono esteja afetando sua rotina e convívio, por favor, consulte um médico.


LEIA MAIS:
Como lidar com o isolamento social?
COVID-19: tudo sobre o Coronavírus
Quanto tempo o coronavírus sobrevive nas superfícies?

Infohealth
Primeiro site de notícias de saúde do Brasil.

Faça um comentário

Deixe seu comentário

Artigos Relacionados

Redes Sociais

3,125FãsCurtir
603SeguidoresSeguir
55SeguidoresSeguir

Atualizações

Somente 1% de adolescentes do sexo masculino vai ao médico

Pesquisa foi feita com 267 estudantes de escolas públicas e privadas de 12 estados brasileiros de ambos os sexos, sendo 170 meninos e 87 meninas.

Doutor, você errou: breves dilemas e diretrizes sobre a caracterização do erro médico.

O erro aflige não somente o paciente que sofreu a intervenção médica ou o tratamento incorreto, mas também o médico envolvido, que terá de arcar com sérias consequências jurídico-disciplinares em função do equívoco.

Hepatites virais somam 40 mil casos no Brasil

No ano passado, de acordo com o Ministério da Saúde, foram notificados 37.773 casos da doença, que pode ser causada por cinco tipos de vírus: A, B, C e D.

Estudo com 50 mil pessoas aponta segurança da Coronavac contra covid-19

Instituto Butantan conduz no Brasil os testes clínicos da vacina contra o coronavírus na fase 3, realizados em quase 6 mil voluntários.

Johnson inicia teste final da vacina para Covid-19 em 60 mil pessoas

A Johnson & Johnson anunciou nesta quarta-feira (23) o início do ensaio final da potencial vacina a Covid-19, de injeção única, com...