Telemedicina no Brasil: como funciona a prática?

Em meio à epidemia do novo coronavírus, o isolamento social tem sido uma das principais alternativas para evitar a maior propagação do vírus. No Brasil, com a urgência de combater o covid-19, o Conselho Federal de Medicina (CFM) reconheceu a possibilidade da prática da telemedicina, em caráter excepcional. A decisão, segundo o Conselho, tem por objetivo proteger tanto a saúde dos médicos como a dos pacientes. 

Com isso, o Ministério da Saúde publicou no Diário Oficial da União (DOU) a Portaria no 467, que amplia as modalidades já estabelecidas na Resolução CFM nº 1.643/2002, liberando: 

  • Teleorientação: permite atendimento médico a distância para orientação e encaminhamento de pacientes em isolamento;
  • Telemonitoramento: possibilita que, sob supervisão ou orientação médicas, sejam monitorados a distância parâmetros de saúde e/ou doença; 
  • Teleinterconsulta: permite a troca de informações e opiniões exclusivamente entre médicos, para auxílio diagnóstico ou terapêutico.

O presidente Jair Bolsonaro, portanto, sancionou a Lei nº 13.989/2020, que autoriza a prática da telemedicina no Brasil para todas as áreas da saúde enquanto durar a crise ocasionada pela epidemia do novo coronavírus (covid-19).


Mas afinal, o que é a telemedicina?

A telemedicina é o “exercício da medicina mediado por tecnologias para fins de assistência, pesquisa, prevenção de doenças e lesões e promoção de saúde“, de acordo com a resolução do CFM nº 2.227/2018. É uma especialidade médica que disponibiliza assistência à distância para o cuidado com a saúde, que acontece através de plataformas online para acesso pelo computador, celular ou tablet.

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), a prática “compreende a oferta de serviços ligados aos cuidados com a saúde, nos casos em que a distância é um fator crítico; tais serviços são prestados por profissionais da área da saúde, usando tecnologias de informação e de comunicação para o intercâmbio de informações válidas para diagnósticos, prevenção e tratamento de doenças e a contínua educação de prestadores de serviços em saúde, assim como para fins de pesquisas e avaliações”.

Ou seja, a telemedicina precisa atender a quatro elementos principais: dar suporte clínico, superar barreiras geográficas, usar vários tipos de dispositivos e melhorar os desfechos em saúde.


Benefícios da telemedicina

A telemedicina pode ajudar a tratar uma variedade de condições médicas. Além de melhorar o acesso e diminuir o custo financeiro e de deslocamento dos pacientes, a prática também pode desafogar hospitais e centros de saúde.

Alguns outros benefícios da telemedicina incluem:

  • Custos mais baixos: a telemedicina pode proporcionar economia de custos para o paciente. Pesquisas sugerem que as pessoas que usam o serviço passam menos tempo no hospital, têm menos tempo de deslocamento e pode significar menos despesas secundárias, como alimentação, produtos, remédios e etc.
  • Acesso universal: a telemedicina facilita o acesso às pessoas com deficiência. Além de também melhorar o acesso de outras populações, incluindo idosos, pessoas geograficamente isoladas e pessoas encarceradas.
  • Cuidados preventivos: a telemedicina pode facilitar o acesso das pessoas aos cuidados preventivos que melhoram sua saúde a longo prazo. 
  • Conveniência: a telemedicina permite que as pessoas acessem os cuidados no conforto e privacidade de sua própria casa. Isso pode significar que uma pessoa não precisa tirar uma folga do trabalho ou providenciar assistência à infância.
  • Retardando a propagação da infecção: Para reduzir o risco de exposição, prestar assistência por meio da telemedicina elimina o risco de contrair uma infecção no consultório, hospital ou posto de saúde. O acesso remoto é importante para pacientes sintomáticos e que podem ser contagiosos, assim como aqueles que estão agendados para cuidados preventivos e outras visitas, mas que não desejam o risco de exposição.

LEIA MAIS:
Longevidade na era 4.0
O que posso esperar do meu plano de saúde?
Coronavírus e a indústria de novas tecnologias em saúde
Fornecimento de remédios pelo Estado: afinal, qual é o meu direito?


Sistema Único de Saúde

A telemedicina no Brasil também pode ser usada pelo Sistema Único de Saúde (SUS). “Por meio das consultas remotas, haverá ampliação do acesso à saúde, evitando a exposição da população nas unidades de saúde, onde há possível circulação do [novo] coronavírus”, disse o Ministério da Saúde, em nota.

A pasta orienta o cidadão que desejar o atendimento à distância a entrar em contato diretamente com o posto de saúde.

O ministério também autorizou médicos a emitir atestados e receitas médicas eletronicamente. E caso o médico determine o isolamento do paciente, ele deverá comunicar o médico sobre quem mora com ele ou assinar uma declaração contendo a relação das pessoas que residam no mesmo endereço.

Infohealth
Primeiro site de notícias de saúde do Brasil.

Faça um comentário

Deixe seu comentário

Artigos Relacionados

Redes Sociais

3,814FãsCurtir
603SeguidoresSeguir
56SeguidoresSeguir

Atualizações