Pesquisa afirma contágio pelo novo coronavírus entre gatos

0
479

Um novo estudo publicado no New England Journal of Medicine — periódico científico da área da medicina — indica que gatos podem ser infectados pelo novo coronavírus e transmitir a doença para outros animais da mesma espécie, sem apresentar sintomas.

Pesquisadores da China e Estados Unidos administraram o vírus, isolado a partir de um humano contaminado, para três gatos domésticos. No dia seguinte, dois dos animais estavam com o vírus. Após três dias, todos estavam infectados.

Depois, os cientistas juntaram gatos saudáveis nas jaulas individuais de cada um dos gatos infectados em laboratório. Após cinco dias, todos estavam com a doença, o que indica que a transmissão do coronavírus ocorre entre gatos.

O vírus não foi letal aos felinos e todos se curaram da infecção dentro de alguns dias.

“Embora haja relatos de gatos infectados sintomáticos, nenhum dos gatos em nosso estudo apresentou sintomas, incluindo temperatura corporal anormal, perda substancial de peso ou conjuntivite”, diz a pesquisa.

O estudo concluiu que os dados que mostram a facilidade de transmissão entre gatos domésticos, motivo pelo qual é preciso que os governos reconheçam e investiguem a cadeia potencial de transmissão entre humanos e gatos. “Isso é de particular importância, dado o potencial de transmissão de SARS-CoV-2 entre pessoas em famílias com gatos enquanto vivem sob ordens de isolamento”, alegam os pesquisadores.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde Animal (OIE), os achados preliminares de estudos de laboratório sugerem que, das espécies animais investigadas até o momento, os gatos são as espécies mais suscetíveis à SARS-CoV-2, e podem ser afetados por doenças clínicas. 

É importante destacar que, até o momento, não há evidências que sugiram que qualquer animal possa espalhar a infecção por Covid-19 para as pessoas.


Cientistas estudam síndrome em crianças relacionada ao coronavírus
Anticoagulante melhora respiração de pacientes graves com covid-19


Primeiros casos em animais

Em Hong Kong, um caso de contágio em animais de estimação foi registrado em um cachorro spitz alemão de 17 anos. De acordo com especialistas, foram feitos diversos exames no animal e todos sugeriram “um baixo nível de infecção”. O dono do cão não permitiu que fosse feita uma autópsia no corpo do animal para determinar a causa da morte, mas os especialistas sugeriram que, além da idade avançada, o estresse causado pela quarentena e o afastamento do dono no período podem ter contribuído.

Um segundo cachorro, da raça pastor alemão, também testou positivo para o coronavírus em Hong Kong. As informações foram transmitidas pelo Departamento de Agricultura, Pesca e Conservação da cidade (AFDC, na sigla em inglês).

Além disso, um tigre do zoológico de Bronx, em Nova York, testou positivo para covid-19, no que se acredita ser a primeira infecção conhecida em um animal nos EUA, segundo as autoridades federais e o zoológico. As amostras do animal foram coletadas e testadas após vários leões e tigres no zoológico mostrarem sinais de doença respiratória. Acredita-se que eles tenham sido infectados por um funcionário que ainda não apresentava sintomas.

No dia 22 de abril, dois gatos no estado de Nova York testaram positivo para o coronavírus, marcando os primeiros casos confirmados em animais de estimação nos Estados Unidos. Ambos os gatos apresentavam sinais de doença respiratória leve e esperava-se uma recuperação completa. Foi confirmado que o dono possuía Covid-19.


O que fazer se você possui animais de estimação?

Até que mais informações sobre como esse vírus afeta os animais estejam disponíveis, é aconselhado que sejam tratados assim como as pessoas para protegê-los de uma possível infecção. Segue algumas recomendações:

  • Não permita que animais de estimação interajam com pessoas ou outros animais fora da casa;
  • Mantenha os gatos dentro de casa sempre que possível, para evitar que eles interajam com outros animais ou pessoas;
  • Passeie com os cães na coleira, mantendo pelo menos 2 metros de outras pessoas e animais;
  • Evite parques de cães ou locais públicos onde um grande número de pessoas e cães se reúna.

Se você está com suspeita ou com teste confirmado de Covid-19, recomenda-se a restrição do contato com seus animais de estimação e outros animais. Conforme o Centro de Controle e Prevenção de Doença (CDC), caso você precisar cuidar do seu animal de estimação ou ficar perto de animais enquanto estiver doente, utilize uma cobertura de pano e lave as mãos antes e depois de interagir com eles.

Se você está com covid-19 e seu animal de estimação ficar doente, não é recomendado que o leve à clínica veterinária. Ligue para o veterinário e informe-o de que você está infectado, para que possam encontrar a melhor maneira de um tratamento, seja por telemedicina ou outra alternativa. 


LEIA MAIS:
Telemedicina no Brasil: como funciona a prática?
O que posso esperar do meu plano de saúde?
Aumento do consumo de álcool no isolamento social preocupa

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here