Brasileiros identificam mecanismo que torna Covid-19 mais grave em diabéticos

Um grupo de pesquisadores brasileiros identificou um dos mecanismos responsáveis por aumentar a gravidade da Covid-19 em pacientes diabéticos. O artigo sugere que a alta concentração de glicose no sangue permite maior replicação do Sars-Cov-2.

Além disso, os cientistas identificaram que a substância tem papel fundamental na produção de células de defesa e, por consequência, no agravamento dos casos de Covid-19 com o fenômeno identificado como “tempestade de citocinas”, quando há descontrole na resposta imunológica.

O artigo foi submetido à revista Cell Metabolism, e aguarda revisão de outros pesquisadores, mas já está disponível em uma prévia, preprint.

Os experimentos feitos em laboratório mostram que o teor mais alto de glicose no sangue é captado por um tipo de célula de defesa – conhecido como monócito – e serve como uma fonte de energia extra, permitindo ao novo coronavírus uma replicação mais acentuada do que em um organismo saudável. Em resposta à crescente carga viral, os monócitos passam a liberar uma grande quantidade de citocinas – proteínas com ação inflamatória –, que causam uma série de efeitos, como a morte de células pulmonares.

Os pesquisadores observaram ainda no pulmão de pacientes graves uma grande quantidade de monócitos e macrófagos, duas células de defesa e de controle da homeostase do organismo.


Diabéticos X Novo coronavírus

A diabetes  é uma doença crônica que ocorre quando o pâncreas não é mais capaz de produzir insulina ou quando o corpo não consegue fazer bom uso da insulina que produz. A elevação do açúcar no sangue, uma característica típica da doença, facilita ou predispõe a ocorrência de infecções, que podem ser causadas por vírus, bactérias ou fungos. E se aplica também ao novo coronavírus.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS) e o Ministério da Saúde brasileiro, os diabéticos estão entre os grupos mais vulneráveis por dois motivos principais: excesso de glicose no sangue e tendência a inflamação – essas duas condições impedem que o sistema imunológico responda adequadamente a infecções por vírus e bactérias.

O Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), recomenda alguns cuidados específicos que pacientes diabéticos devem tomar em razão da covid-19.

  • Continuar tomando os remédios para diabetes e insulina;
  • Manter uma alimentação saudável e praticar alguma atividade física;
  • Controlar a glicemia – testar o açúcar no sangue a cada quatro horas e acompanhar os resultados;
  • Tomar vacinas para outras infecções virais e bacterianas;
  • Seguir as orientações do seu médico.

No Brasil, 16,8 milhões de adultos, entre 20 e 79 anos, são diabéticos, segundo a Federação Internacional de Diabete (IDF). A maioria (90%) é diagnosticada com o tipo 2, que geralmente está associada ao sobrepeso e fatores de risco como hipertensão, maus hábitos alimentares, sedentarismo e baixo nível de colesterol bom.


LEIA MAIS:
Cloroquina e hidroxicloroquina: estudo mostra nenhuma evidência de benefício
Cientistas estudam síndrome em crianças relacionada ao coronavírus
Covid-19: vacina testada em humanos mostra dados promissores

Infohealth
Primeiro site de notícias de saúde do Brasil.

Faça um comentário

Deixe seu comentário

Artigos Relacionados

Redes Sociais

3,125FãsCurtir
603SeguidoresSeguir
55SeguidoresSeguir

Atualizações

Somente 1% de adolescentes do sexo masculino vai ao médico

Pesquisa foi feita com 267 estudantes de escolas públicas e privadas de 12 estados brasileiros de ambos os sexos, sendo 170 meninos e 87 meninas.

Doutor, você errou: breves dilemas e diretrizes sobre a caracterização do erro médico.

O erro aflige não somente o paciente que sofreu a intervenção médica ou o tratamento incorreto, mas também o médico envolvido, que terá de arcar com sérias consequências jurídico-disciplinares em função do equívoco.

Hepatites virais somam 40 mil casos no Brasil

No ano passado, de acordo com o Ministério da Saúde, foram notificados 37.773 casos da doença, que pode ser causada por cinco tipos de vírus: A, B, C e D.

Estudo com 50 mil pessoas aponta segurança da Coronavac contra covid-19

Instituto Butantan conduz no Brasil os testes clínicos da vacina contra o coronavírus na fase 3, realizados em quase 6 mil voluntários.

Johnson inicia teste final da vacina para Covid-19 em 60 mil pessoas

A Johnson & Johnson anunciou nesta quarta-feira (23) o início do ensaio final da potencial vacina a Covid-19, de injeção única, com...