Higiene menstrual: como o assunto afeta a saúde das mulheres

Se falar sobre menstruação continua um tabu entre as mulheres e a sociedade, a higiene menstrual é um tema ainda mais deixado de lado. No entanto, a falta de educação sobre o assunto, os estigmas persistentes e até mesmo o acesso limitado a produtos higiênicos e infraestrutura de saneamento prejudica a saúde de mulheres e meninas em todo o mundo.

A higiene íntima feminina deve ser sempre monitorada, mas durante o período menstrual os cuidados precisam ser redobrados. Isso porque a presença do sangue facilita a proliferação de bactérias e fungos, além de que no período há maior vascularização no local e abertura do colo uterino, ou seja, uma facilitação para infecções mais profundas e disseminadas.

Por isso, cuidados durante o período menstrual são importantes para a saúde íntima da mulher. Confira algumas dicas orientadas pelas médicas ginecologista Halana Faria e Isabela Correia.

Lembre-se que esta matéria tem caráter informativo, não substituindo uma consulta
com o profissional de saúde.


Faça a troca do absorvente

Evite utilizar o mesmo absorvente (externo ou interno) por muito tempo, pois pode ocasionar diversos problemas para a saúde íntima. A recomendação é utilizar o absorvente externo por no máximo 6 horas e o absorvente interno por 4 horas, principalmente para evitar problemas como a síndrome do choque tóxico, que é a “proliferação de bactérias que produzem toxinas, que ao cair na corrente sanguínea evolui de forma grave”, alerta a médica ginecologista Isabela Correia.

No caso do coletor menstrual, a indicação é realizar a troca a cada 12 horas. Para a higienização, lavar o coletor com água e sabão neutro. Ao final de cada ciclo, higienizá-lo em água fervente. “Sempre higienizar bem as mãos antes de manipular o absorvente, principalmente se for o interno ou o coletor menstrual”, salienta Isabela.

Fazer a troca do absorvente de maneira correta deixa a mulher mais segura contra as infecções vaginais e o surgimento de odores desagradáveis na região. A menstruação por si só não tem um cheiro ruim, mas a interação do sangue com as bactérias do corpo pode resultar neste efeito indesejado. 


Higienize a região corretamente

A vagina possui proteção natural, promovida por uma população de bactérias do grupo Lactobacillus casei, que formam a chamada flora vaginal. Entretanto, sozinhos esses lactobacilos não conseguem proteger totalmente, e por isso faz-se necessária uma boa higiene adicional. No banho, é preciso higienizar principalmente a região da vulva (região externa). Opte por um sabonete neutro, para respeitar o pH da vagina.

Na hora da limpeza, faça movimentos circulares com as próprias mãos e dedos e certifique-se de limpar todas as partes. Lembre-se: o interior da vagina jamais deve ser higienizado. Essa parte do corpo da mulher é autolimpante. 

O excesso de limpeza na região íntima também pode causar problemas. “A gente não deve ficar lavando muitas vezes, evitar o excesso de higiene porque isso altera a lubrificação, o PH, pode gerar inclusive mais cheiro, muda a microbiota, os micro-organismos saudáveis da vagina”, explica a médica ginecologista Halana Faria.


Clamídia: o que é, quais os sintomas e como é transmitida
Câncer de ovário: esteja alerta aos sintomas


Dê preferência por calcinhas de algodão 

A calcinha escolhida também desempenha um papel importe na saúde íntima feminina, especialmente durante a menstruação. Recomenda-se as peças íntimas de algodão para melhorar a circulação de ar na região e diminuir a transpiração. Além disso, evitar deixar a calcinha secando dentro do box do banheiro, pois o ambiente úmido favorece a disseminação de bactérias e fungos responsáveis por diversas infecções.


Evitar o uso de lenços umedecidos íntimos

A ginecologista Helena Faria alerta sobre o uso de lenços umedecidos. “O que eu recomendo é que mulheres tenham na bolsa uma calcinha a mais nas situações em que sentem que a vagina fica úmida, que a calcinha fica úmida durante o dia. Ao invés de usar os absorventes de uso diário que só causam um abafamento da região, aumentando a umidade, o calor e a proliferação de micro-organismos”, destaca a ginecologista Halana.

Por isso utilizar os lenços umedecidos devem ser uma alternativa somente de emergência, quando a mulher se encontra em ambientes públicos ou o papel higiênico à disposição é muito áspero, podendo irritar a pele. O uso contínuo não é recomendado porque pode prejudicar os lactobacilos da flora vaginal, provocar irritações ou reações de hipersensibilidade.

A forma de usar também é importante: o lenço deve ser aplicado apenas na região de pele, ou seja, na vulva e na virilha, mas nunca na mucosa vaginal


Não use ducha vaginal para higienizar a área interna do órgão

Muitas mulheres têm a falsa impressão de que a ducha comprada em farmácias é a ferramenta ideal para higienizar a vulva, principalmente depois de urinar ou evacuar. Porém, os fortes jatos d’água proporcionados pelo objeto não são recomendados. “A ducha lava a flora vaginal, levando as bactérias boas embora, desequilibrando o meio vaginal, facilitando infecções oportunistas”, alerta a ginecologista Isabela Correia.

O pequeno acessório hidráulico deve ser utilizado somente com indicação médica e em circunstâncias bem específicas. 


7 perguntas e respostas sobre a gonorreia
Tricomoníase: o que é, quais os sintomas e tratamento
Infecções sexualmente transmissíveis aumentam no Brasil


O Dia Mundial da Higiene Menstrual

Todos os anos, no dia 28 de maio, organizações não-governamentais, agências governamentais, empresas do setor privado, mídia e a sociedade se reúnem para celebrar o Dia da Higiene Menstrual (MH Day). A data tem como objetivo de quebrar o silêncio e a conscientizar sobre o papel fundamental que a boa higiene menstrual desempenha na saúde íntima feminina.

O movimento também cria oportunidades de advocacia para a integração do tema nas políticas, programas e projetos globais, nacionais e locais.

O tema do Dia Mundial da Higiene Menstrual 2020 é “#NoMoreLimits – Capacitando mulheres e meninas através de uma boa higiene menstrual”. A ideia do tema é destacar como os desafios enfrentados pelas mulheres durante a menstruação pioraram devido à pandemia do novo coronavírus.

O tabu e a falta de acesso a saneamento e a produtos de higiene afetam milhares de adolescentes em todo o mundo, fazendo com que corram riscos de saúde, parem de ir à escola e tenham suas possibilidades de desenvolvimento limitadas.


Infohealth
Primeiro site de notícias de saúde do Brasil.

Faça um comentário

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Redes Sociais

2,677FãsCurtir
603SeguidoresSeguir
54SeguidoresSeguir

Atualizações

Aplicativo Coronavírus-SUS ajudará a rastrear contatos de infectados com covid-19

O sistema conserva a privacidade, tanto do paciente infectado como da pessoa que recebe a notificação da possível exposição com o caso confirmado para a covid-19.

OMS alerta jovens sobre covid-19 “não são invencíveis”

Apesar dos jovens não serem a maioria dos mortos pela Covid-19, não se sabe quais serão os efeitos a longo prazo da infecção.

O que os números dizem sobre o novo coronavírus e a Covid-19 no Brasil

A contagem de pessoas infectadas desde o início da pandemia atingiu o total de 2,5 milhão.

Sua autoestima não depende só do que você vê no espelho

A busca por uma melhor autoestima tem sido, cada vez mais, um dos motivos para iniciar um...

Rússia anuncia que deve aprovar vacina contra coronavírus em agosto

O país, no entanto, ainda não apresentou dados científicos que comprovem a segurança e a eficácia do medicamento.