OMS anuncia nova suspensão de testes com hidroxicloroquina

A Organização Mundial da Saúde (OMS) suspendeu, novamente, os testes clínicos com a cloroquina e hidroxicloroquina. O anúncio foi feito durante coletiva de imprensa, quando também foi comemorado o sucesso preliminar do estudo sobre o uso da dexametasona no tratamento de pacientes mais graves por covid-19.

Em comunicado divulgado na quarta-feira (17), a OMS disse que a decisão se baseou em evidências do próprio Solidarity Trial, bem como de um estudo liderado pelo Reino Unido que descobriu que o medicamento não ajudou pacientes com COVID-19 e de uma revisão de outras evidências sobre a hidroxicloroquina.

“Há apenas cinco minutos atrás, fizemos uma ligação para todos os responsáveis pelos testes. Com base nas evidências obtidas, a decisão foi de parar os testes randomizados com a hidroxicloroquina. [A decisão] foi tomada com base nas informações fornecidas pelos testes feitos na Inglaterra e nos dados colhidos pelos testes do grupo Solidariedade”, informou a chefe da Unidade Pesquisa e Desenvolvimento da OMS, Ana Maria Henao-Restrepo.

A retirada ocorre também após o órgão regulador Administração de Alimentos e Medicamentos dos Estados Unidos (FDA) retirar sua aprovação para o uso emergencial das substâncias, alegando que podem não ser eficazes para a infecção por covid-19.

Essa é a segunda vez que a OMS suspende os testes com os medicamentos. Antes, o estudo que relatou a ausência de benefícios e possíveis riscos da hidroxicloroquina foi contestado por médicos, estatísticos e cientistas. Posteriormente, o estudo foi retirado da revista científica The Lancet, que emitiu uma retratação por não poder apresentar as bases de dados usadas no estudo para revisão de pares. 


O sucesso preliminar da dexametasona

O diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, e o diretor executivo do Programa de Emergências, Michael Ryan, também comemoraram o que chamaram de “descoberta significativa” no combate ao novo coronavírus (covid-19). A dexametasona, um corticosteroide amplamente acessível, apresentou dados positivos no combate a manifestações severas da covid-19, principalmente para pacientes que necessitam de respiradores mecânicos.

“Pesquisadores concordaram em investigar drogas com potencial, incluindo esteróides. A OMS desenvolveu um protocolo-padrão, que foi adaptado e usado por pesquisadores ao redor do mundo. Recebemos as boas notícias sobre os testes no Reino Unido. A dexametasona, um esteróide comum, demonstrou efeitos positivos em pacientes com sintomas agudos da covid-19. A mortalidade para pacientes que estão entubados, e necessitam do uso de um ventilador mecânico, caiu em um terço”, afirmou Ghebreyesus. 

“Essa é uma das muitas descobertas que precisamos para lidar de maneira eficaz com a covid-19. São dados preliminares vindos de apenas um estudo. É muito significante, mas também temos que ver os dados reais, completos. Eles [médicos ingleses responsáveis pelo estudo] trabalharão arduamente nos próximos dias para publicar com a revisão de pares necessária, e todos poderão saber os resultados”, disse Michael Ryan.

Ainda assim, os médicos pediram cautela e paciência no uso dos medicamentos que ainda não tem a eficácia comprovada. “É necessário que todos os países tenham abordagens comedidas. Essa não é a hora de mudar protocolos médicos de maneira apressada. É necessário repetir: essa droga [dexametasona] não deve ser usada sem supervisão médica, e só se mostrou eficaz no tratamento de casos de pessoas gravemente doentes da covid-19 – aqueles que precisam do uso de ventilação”, disse Michael Ryan.


LEIA MAIS:

Dexametasona reduz a morte em pacientes graves por Covid-19
Sinovac anuncia potencial em testes de vacinas, com 90% de sucesso
Jovem com coronavírus recebe transplante de pulmão duplo após danos irreversíveis

Infohealth
Primeiro site de notícias de saúde do Brasil.

Faça um comentário

Deixe seu comentário

Artigos Relacionados

Redes Sociais

3,792FãsCurtir
603SeguidoresSeguir
56SeguidoresSeguir

Atualizações