Estudo diz que a covid-19 pode ser mais perigosa em quem tem o tipo sanguíneo A

Uma análise genética de pacientes com covid-19 sugere que o tipo sanguíneo pode ter ligação com a gravidade da infecção pelo novo coronavírus. Os pesquisadores que compararam os genes de pacientes na Europa descobriram que aqueles que tinham sangue tipo A eram mais propensos a desenvolver a forma mais grave da doença, enquanto aqueles com tipo O eram menos prováveis.

O estudo, envolvendo cientistas na Itália, Espanha, Dinamarca, Alemanha e outros países, comparou cerca de 1.900 pacientes com covid-19 grave a milhares de outras pessoas saudáveis ​​ou que apresentavam apenas sintomas leves ou inexistentes. Os dados genéticos mostraram que o grupo sanguíneo A foi associado a um risco maior de adquirir a forma grave de covid-19. O risco é 45% maior para pessoas com sangue tipo A do que pessoas com outros tipos sanguíneos, e parece ser 35% menor para pessoas com sangue tipo O.

Apesar da descoberta, os pesquisadores não podem afirmar se o tipo sanguíneo é uma causa direta da diferença de suscetibilidade ao vírus. Segundo o relatório divulgado no periódico científico “New England Journal of Medicine”, pode ser que as alterações genéticas que afetam o risco do paciente também estejam ligadas ao tipo sanguíneo.

As descobertas… oferecem pistas específicas sobre quais processos de doenças podem acontecer na Covid-19 grave”, disse o doutor do Hospital Universidade de Oslo, na Noruega, e um dos líderes da pesquisa, Tom Karlsen, à Reuters. Ele salientou que pesquisas adicionais são necessárias antes de as informações se tornarem úteis.

Além disso, os pesquisadores encontraram duas variações genéticas do vírus, que podem estar associadas à resposta imune do paciente. Uma série de variantes em genes que estão envolvidos nas reações imunológicas são mais comuns em pessoas com casos graves de covid-19. Estes genes também estão envolvidos com uma proteína de superfície celular chamada ACE2, que o coronavírus usa para ter acesso às células do corpo e infectá-las.

“A esperança é que esta e outras descobertas apontem o caminho para uma compreensão mais abrangente da biologia da covid-19”, escreveu o diretor dos institutos nacionais de Saúde dos Estados Unidos e especialista em genética, Francis Collins, em seu blog na quinta-feira (18). “Elas também sugerem que um exame genético e o tipo sanguíneo de uma pessoa podem fornecer ferramentas úteis para identificar aqueles que podem correr mais risco de uma doença grave”.

Existem quatro tipos principais de sangue – A, B, AB e O – e são determinado por proteínas na superfície dos seus glóbulos vermelhos. Pessoas com tipo O são mais capazes de reconhecer certas proteínas como estranhas, e isso pode se estender a proteínas na superfície do vírus.


LEIA MAIS:
Dexametasona reduz a morte em pacientes graves por Covid-19
Sinovac anuncia potencial em testes de vacinas, com 90% de sucesso
Jovem com coronavírus recebe transplante de pulmão duplo após danos irreversíveis

Infohealth
Primeiro site de notícias de saúde do Brasil.

Faça um comentário

Deixe seu comentário

Artigos Relacionados

Redes Sociais

3,814FãsCurtir
603SeguidoresSeguir
56SeguidoresSeguir

Atualizações