OMS: Vacina em testes no Brasil é a mais avançada contra a Covid-19

A vacina experimental contra o novo coronavírus — que já está em fase de testes no Brasil — realizada pela Universidade de Oxford e pela AstraZeneca é provavelmente a principal candidata do mundo e a mais avançada em termos de desenvolvimento. A declaração foi dada nesta sexta-feira (26) pela cientista da Organização Mundial da Saúde (OMS), Soumya Swaminathan.

“Certamente, em termos de quão avançados eles são, o estágio em que estão, eles são provavelmente o principal candidato”, disse Soumya Swaminathan, cientista-chefe da OMS, em entrevista coletiva.

Ainda assim, de acordo com a pesquisadora, Sinovac anuncia potencial em testes de vacinas, com 90% de sucesso, “não está muito atrás” da potencial imunização da AstraZeneca. Os dois projetos estão entre as mais de 200 vacinas candidatas contra a Covid-19, das quais 15 já entraram na fase de testes clínicos, em humanos.

“Sabemos que a vacina da Moderna também entrará na fase três de ensaios clínicos, provavelmente a partir de meados de julho, e para que a candidata a vacina não fique muito atrás”, disse Swaminathan.

A OMS está em negociação com várias fabricantes chinesas, entre elas a Sinovac, sobre potenciais vacinas, bem como com pesquisadores indianos. A cientista pediu aos fabricantes de medicamentos que considerem colaborar nos testes de vacinas, assim como a OMS tem feito no estudo de solidariedade.


Vacina de Oxford contra covid-19 começa a ser testada em São Paulo
Sinovac anuncia potencial em testes de vacinas, com 90% de sucesso


Uma coalizão liderada pela OMS que combate a pandemia na sexta-feira pediu doadores do governo e do setor privado para ajudar a arrecadar US $ 31,3 bilhões nos próximos 12 meses para desenvolver e entregar testes, tratamentos e vacinas para a doença. A iniciativa é chamada de ACT-Accelerator.

Andrew Witty, enviado especial para o ACT-Accelerator, disse que era importante considerar um “portfólio de esforços de pesquisa” para vacinas. “Ainda é muito cedo nesta jornada, podemos ter super sorte – o que seria fantástico – e ter uma vitória antecipada”, disse Witty. “Mesmo que demore 12 a 18 meses sem precedentes, o rápido desenvolvimento mundial da vacina.”, ressaltou.


Vacina em testes no Brasil

A vacina em testes da AstraZeneca e da Universidade de Oxford está na fase 3 de desenvolvimento – última fase antes da aprovação e distribuição – e começou a ser testada em voluntários brasileiros, em um estudo liderado no país pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

Em entrevista à Reuters na quarta-feira (24), a reitora da Unifesp, Soraya Smaili, disse que os ensaios clínicos da vacina de Oxford e da AstraZeneca podem durar até um ano.

Já a vacina da chinesa Sinovac deverá começar a ser testada no Brasil em julho, depois de a companhia fechar acordo com o Instituto Butantan, ligado ao governo do Estado de São Paulo, que pode levar à produção dela no Brasil, caso se mostre eficaz.


Fonte: Reuters e Organização Mundial da Saúde (OMS)

Infohealth
Primeiro site de notícias de saúde do Brasil.

Faça um comentário

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Redes Sociais

2,677FãsCurtir
603SeguidoresSeguir
54SeguidoresSeguir

Atualizações

Aplicativo Coronavírus-SUS ajudará a rastrear contatos de infectados com covid-19

O sistema conserva a privacidade, tanto do paciente infectado como da pessoa que recebe a notificação da possível exposição com o caso confirmado para a covid-19.

OMS alerta jovens sobre covid-19 “não são invencíveis”

Apesar dos jovens não serem a maioria dos mortos pela Covid-19, não se sabe quais serão os efeitos a longo prazo da infecção.

O que os números dizem sobre o novo coronavírus e a Covid-19 no Brasil

A contagem de pessoas infectadas desde o início da pandemia atingiu o total de 2,5 milhão.

Sua autoestima não depende só do que você vê no espelho

A busca por uma melhor autoestima tem sido, cada vez mais, um dos motivos para iniciar um...

Rússia anuncia que deve aprovar vacina contra coronavírus em agosto

O país, no entanto, ainda não apresentou dados científicos que comprovem a segurança e a eficácia do medicamento.