Doação de sangue não pode parar com a pandemia: ajude com segurança

Diante de uma queda histórica em doação de sangue durante o período da pandemia do novo coronavírus, os profissionais e serviços de saúde do país mostram preocupação com a necessidade manter os estoques e a rede abastecida. Pessoas com anemias crônicas, acidentes que causam hemorragias, complicações decorrentes da dengue, febre amarela, tratamento de câncer e outras doenças graves, continuam ocorrendo. Ou seja, o consumo de sangue é diário e contínuo.

Diante disso, o Ministério da Saúde orienta à população que as doações de sangue devem continuar e que é um procedimento seguro, não havendo riscos para quem doa. Segundo a pasta, para receber os doadores, os cerca de 32 hemocentros no país, além de aproximadamente 500 serviços de hemoterapia — onde também são feitas coletas e uso do sangue —, estão preparados. Todos esses serviços estão disponibilizando condições de lavagem de mãos, uso de antissépticos e acolhimento que minimizem a exposição a aglomerado de pessoas. Cuidados com a higienização das áreas, instrumentos e superfícies também têm sido intensificados pelos hemocentros.

A Fundação Pró-Sangue também faz um apelo por doadores. O diretor-técnico científico Alfredo Mendroni Junior afirmou que a queda no número de doadores nesse período foi de 50%, a maior já vivenciada pela fundação. “Os estoques  costumam ser menores durante as festas de final de ano e em janeiro, mês de férias. Mas mesmo nesses períodos, a queda em geral era de no máximo 20%. Já tivemos quedas em outros momentos, mas nunca foi tão duradoura”.

A Fundação costuma coletar 10 mil bolsas de sangue por mês, que atende a rede pública da região metropolitana de São Paulo. “Uma redução de 50% de doadores significa uma queda de bolsas de sangue suficientes para causar um impacto muito significativo no atendimento do dia a dia dos nossos pacientes”, falou ele.

De acordo com o diretor técnico, as pessoas aptas a doar não precisam temer contaminação por coronavírus. “Qual é o grande motivo que enxergamos para as pessoas terem deixado de doar? Provavelmente o medo de sair de casa, o medo de se contaminar, especialmente porque a maior parte dos postos de doação estão inseridos dentro do ambiente hospitalar. Mas o que quero dizer para essas pessoas é que criamos todos os mecanismos de segurança para evitar qualquer tipo de contágio por esse doador. O fluxo de entrada é completamente independente do fluxo dos pacientes. Os doadores hoje marcam horário, agendam seu horário no melhor dia e hora e isto faz com que não haja aglomeração. E ofertamos todos os mecanismos de segurança para que o doador possa doar e se sentir seguro”, explicou.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) também mostrou preocupação e incentiva a doação de sangue, mesmo durante a pandemia. Nas redes sociais, a OMS e seu diretor-executivo, Tedros Adhanom Ghebreyesus, publicaram uma série de apelos pela doação constante e pela conscientização da necessidade de sangue de qualidade como componente essencial dos sistemas de saúde. “Nossa mensagem é: continue doando sangue e salvando vidas. Doar [sangue] durante a [pandemia] de covid-19 é seguro, dado o distanciamento social e o respeito à medidas de higiene”, afirmou.


Requisitos para doação de sangue

Na triagem de doadores, são seguidas normas nacionais e internacionais para oferecer segurança e proteção receptor e ao doador do sangue. No Brasil, pessoas entre 16 e 69 anos podem doar sangue. Para os menores de 18 anos é necessário o consentimento dos responsáveis e, entre 60 e 69 anos, a pessoa só poderá doar se já o tiver feito antes dos 60 anos Além disso, é preciso pesar, no mínimo, 50 quilos e estar em bom estado de saúde. No dia, é imprescindível estar com o documento.

Em relação à covid-19, são considerados inaptos para a doação de sangue por um período de 30 dias aqueles que apresentarem sintomas respiratórios e febre ou se tiverem tido contato, há menos de 30 dias, com casos suspeitos ou confirmados.

Abaixo estão listados os requisitos básicos e alguns dos principais impedimentos temporários e definitivos para doação de sangue. 

Requisitos básicos

  • Estar em boas condições de saúde;
  • Ter entre 16 e 69 anos (desde que a primeira doação tenha sido feita até 60 anos);
  • Pesar no mínimo 50kg;
  • Estar descansado (ter dormido pelo menos 6 horas nas últimas 24 horas);
  • Estar alimentado (evitar alimentação gordurosa até 4 horas antes da doação);
  • Apresentar documento original com foto recente, que permita a identificação do candidato, emitido por órgão oficial;

Principais impedimentos temporários

  • Resfriado: aguardar 7 dias após desaparecimento dos sintomas;
  • Gravidez;
  • 90 dias após parto normal e 180 dias após cesariana;
  • Amamentação (se o parto ocorreu há menos de 12 meses);
  • Ingestão de bebida alcoólica nas 12 horas que antecedem a doação;
  • Tatuagem / maquiagem definitiva nos últimos 12 meses;
  • Vacina contra gripe: por 48 horas;
  • Herpes labial ou genital: apto após desaparecimento total das lesões;
  • Herpes Zoster: apto após 6 meses da cura (vírus Varicella Zoster).

Principais impedimentos definitivos

  • Hepatite após os 11 anos de idade;
  • Evidência clínica ou laboratorial das doenças: Hepatites B e C, AIDS (vírus HIV), doenças associadas aos vírus HTLV I e II e Doença de Chagas;
  • Uso de drogas ilícitas injetáveis;
  • Malária;
  • Homens – 60 dias (máximo de 04 doações nos últimos 12 meses);
  • Mulheres – 90 dias (máximo de 03 doações nos últimos 12 meses);

Foto: Erasmo Salomão/MS


LEIA MAIS:
Quais os cuidados com alergia durante a pandemia de covid-19?
Paciente está há 17 meses sem vírus HIV após tratamento brasileiro
Ameba ‘comedora de cérebro’: caso raro de infecção na Flórida gera alerta

Infohealth
Primeiro site de notícias de saúde do Brasil.

Faça um comentário

Deixe seu comentário

Artigos Relacionados

Redes Sociais

3,814FãsCurtir
603SeguidoresSeguir
56SeguidoresSeguir

Atualizações