Yoga: uma prática milenar que está “na moda”!

0
801
assinatura erica

O Yoga é uma prática física, mental e espiritual que se originou na Índia há milhares de anos e agora ganhou força no mundo todo. Essa técnica milenar é, na verdade, uma porta para um estilo de vida que te traz mais disposição, vitalidade, saúde física e mental e consciência da sua verdade. Mas como isso?

O Yoga, diferente do que muitos pensam ou foram apresentados, é uma prática que vai muito além daquele tapetinho bonito, colorido (pra ficar mais “na moda”), numa sala com vários coleguinhas e um(a) professor(a) que faz você sentir até aquela parte do corpo que você nem sabia que existia. Isso é apenas 12,5% do que realmente é o Yoga.

Sim, 12,5%! Pois o Yoga é dividido em oito partes, desde os aspectos mais externos, como os Ásanas ou as posturas, até os aspectos mais internos, como Samadhi ou estado mais elevado da consciência.

A prática física é muito eficaz para a flexibilidade corporal, força dos músculos, correção postural, diminui dores articulares, protege a coluna, abaixa a pressão arterial, drena as linfas e aumenta a imunidade, cria espaço no seu corpo para respiração e movimentos naturais dos órgãos internos, auxilia na digestão e funcionamento do intestino, dentre outros inúmeros benefícios já comprovados cientificamente.

Mas só isso não basta, é necessário olharmos para o todo, como a própria palavra “yoga” diz. Em sânscrito, significa “juntar-se” ou “unir-se”. É a forma que temos para unir tudo que somos numa só verdade e vivermos plenamente a nossa vida. Desde o corpo físico até o espiritual.

Nos tempos comuns (me refiro aqui fora da pandemia), as pessoas sobrevivem passando correndo pelas suas vidas. São filhos pra cuidar, casa pra arrumar, contas pra pagar, trabalho pra pensar e se dedicar, dentre outras coisas que vem como prioridade na vida de um ser humano adulto que precisa se sustentar e garantir suas necessidades básicas. Arruma-se tempo para tudo e todos menos para si mesmo. Essa é a realidade do mundo moderno.

Acontece que em tempos de pandemia, as pessoas são obrigadas a olhar pra si e acabam encontrando um vazio imenso. E é exatamente aí que está o furo que acaba desencadeando a depressão, ansiedade, compulsões, dentre outros desequilíbrios mentais que muitos se deparam nesse confinamento. Uma vida inteira longe da sua própria verdade, das suas próprias sombras, e quando se é obrigado a enfrenta-las não há força, conhecimento e entendimento do que realmente se passa. E é por isso que o Yoga está sendo tão procurado.

Yoga trabalha para autoconhecimento do ser humano, além de todos aqueles benefícios físicos já mencionados. Através de condutas e auto-observação, o praticante, ou yogui/yoguini, passa a compreender e sentir seus medos e angustias lidando com mais clareza e leveza a vida que está acontecendo. É o viver no presente, no agora, entendendo que todo o passado fez e faz parte de quem Sou hoje, mas o futuro só depende do meu presente. Não há nada mais magnífico que viver o presente, sentir o seu corpo no momento exato da sua respiração e perceber que a vida É. Não SERÁ ou FOI, ela É.

O maior problema de quem sofre com depressão, ansiedade, é o não estar no presente. E não há nada mais presente que a respiração. Ela acontece sem que você perceba, sem que você precise dar atenção a ela. Porém quando se percebe o ar entrando e o ar saindo, começa a sentir a VIDA fluindo para dentro e para fora de si. Essa respiração consciente, entre outras técnicas de controle da respiração, se chama Pranayama, que dentre as oito partes do Yoga é a mais usada e procurada para as patologias psicológicas mencionadas.

Além disso, a observação da respiração é uma das formas de se iniciar um aquietamento da mente, ou a meditação, outra das oito partes do Yoga. Quando meditamos tendemos a desviar a nossa mente para pensamentos ou preocupações que estão no passado ou futuro. A observação da respiração como ela é, sem controle algum ou técnica, é uma forma eficaz de desviar os pensamentos para o foco no presente. Porém, a meditação não se dá somente com o desvio dos pensamentos, ela pode ser a observância dos seus pensamentos como se fosse um telespectador. Assim você poderá ter consciência do que te deixa angustiado, agitado, nervoso, deprimido, ansioso. Quanto mais consciência você tem dos seus problemas, mais fácil você conseguirá resolvê-los e melhor e mais eficaz será o seu silêncio interno.

Todo esse caos veio para mostrar à humanidade que o que menos importa, hoje, é o TER, pois nos preocupamos demais com o externo (corpos bonitos, dinheiro na conta, carro do ano, viagens, festas, etc) e deixamos de SER, de olhar pras nossas reais necessidades. E de que vale tudo que temos, construímos materialmente, sem conseguirmos Ser saudáveis para usufruir?

Eu não falo aqui que não tem importância o material. Longe disso! Precisamos viver com tudo que a vida nos proporciona, seja interno ou externo. Mas ultimamente estão todos mais preocupados com o lado de fora que o de dentro. O que leva a um desequilíbrio que desencadeia os problemas ditos “do século”. Somos feito de carne e osso, por isso é evidente que devemos nos preocupar com as necessidades básicas (alimento, moradia, higiene, saúde…) e com luxo, se assim for o seu desejo. Mas também temos os corpos sutis (emocional, mental, espiritual…) e precisamos alimentá-los, proporciona-los um ambiente seguro, limpá-los e torna-los saudáveis da mesma forma.

Meu convite aqui é que você pare um minuto, observe os seus pensamentos e te faça a seguinte pergunta: “O que me tira a paz, HOJE?” e simplesmente observe as respostas que virão. Deixe-as virem, deixe sua mente falar com você. Quando não houver mais respostas, volte à sua atenção para a respiração, relaxe seu corpo o mantendo firme e leve, e fique por alguns minutos (o quanto você conseguir). Repita diariamente, aumentando o tempo de permanência na prática, e sinta os efeitos na sua saúde física e mental e nas suas relações.


LEIA MAIS COLUNAS:
Ayurveda: uma forma alternativa de manter sua saúde física e mental em dia
Atividade física e bem-estar psicológico
O papel das emoções na nossa vida

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here