Introdução à gestação e diabetes

0
565
Side view of pretty pregnant lady eats fast food, wearing blue shirt and leggins, with bunch on head, poses in studio while biting hamburger isolated on yellow wall. Copy space for your advertisment.

A Diabetes Mellitus Gestacional, ou Diabetes Gestacional, é diagnosticada quando os níveis de glicemia de jejum indicam uma condição de hiperglicemia (≥ 92 mg/dL e < 126mg/dL, de acordo American Diabetes Association), identificada pela primeira vez durante a gestação, previamente no 1º Trimestre. No 2ª Trimestre, entre 24º a 28º semana, solicita-se o teste de tolerância oral à glicose (TOTG), conhecido como curva glicêmica, no qual é avaliado as glicemias em três tempos distintos (jejum, 60 e 120 minutos), após a ingestão de uma solução contendo 75g de glicose. Baseado, nos resultados (Tabela I), mesmo somente com uma medida alterada, o diagnóstico já é confirmado.

A Diabetes Gestacional é uma condição associada às alterações metabólicas, podendo ou não persistir até 3 anos após o nascimento do bebê, portanto a gestante deve ser reavaliada (clínica e exames bioquímicos) 6 semanas após o parto.

O crescimento da obesidade nas mulheres, é concomitante ao aumento na incidência de diabetes gestacional. Entretanto, alguns fatores pré-concepcionais podem contribuir para o desenvolvimento da doença na gestação

Fatores de risco para o desenvolvimento da Diabetes Gestacional (DMG):

diabetes fatores de risco

Como ocorre a diabetes gestacional?

Um fator importante a ser considerado é que toda gestante (mesmo com exames prévios normais), tem um quadro de Resistência à insulina (RI), a partir do 2º trimestre. Isso ocorre devido as alterações fisiológicas, a partir deste período, mediada por hormônios placentários que degradam a insulina, com o objetivo de fornecer um aporte energético (glicose) adequado ao crescimento e desenvolvimento do feto.

Quando a gestante apresenta um ou mais fatores de risco descritos, a chance de desenvolver DMG aumento muito mais, tendo que ser realizado um melhor monitoramento desde o início da gestação.


E quais são as repercussões para o bebê?

A DMG aumenta muito as complicações obstétricas e materna, como parto prematuro, pré-eclampsia, e risco de desenvolver diabetes tipo 2 num intervalo de 5-16 nos após o parto. Para o bebê, as repercussões são mais severas:

  • O estado materno hiperinsulinêmico compromete o desenvolvimento da maturação dos pulmões e o risco da síndrome de desconforto respiratório neonatal, devido a ineficiência na produção do hormônio surfactante;
  • Macrossômia (nascem com o peso > 4000g);
  • Hipoglicemia neonatal (ocorre após o clampeamento do cordão umbilical) necessitando monitoramento contínuo com dosagem da glicemia capilar;
  • Risco aumentado de desenvolver obesidade e diabetes mellitus na infância.

E quais os tratamentos?

O primeiro passo para controlar a glicemia é seguir uma orientação nutricional, com profissional nutricionista e de preferência especialista na área materno-infantil, e que irá ajustar a ingestão calórica e o ganho de peso conforme o estado nutricional da gestante.

Evitar a ingestão de alimentos ultraprocessados, açucarados (bebidas, biscoitos e guloseimas), ricos em gordura saturada e trans, frituras, embutidos e alimentos a base de farináceos refinados. Em contrapartida, é fundamental aumentar a ingestão de alimentos:

  • Ricos em fibras como aveia, farelo de aveia, linhaça, semente de girassol, castanhas em geral, arroz (integral, cateto), leguminosas (feijões preto, Azuki e branco), folhas verdes escuras (couve, espinafre, brócolis, folhas de beterraba, agrião, chicória);
  • Peixes frescos (atum, cavala, sardinha, pescada branca);
  • Frutas: consumir em média 3-4 porções; e
  • Probióticos (melhora a saúde intestinal, e o quaro de resistência à insulina).

Associado a mudança de hábito alimentar, deve-se incluir atividade física regular (liberada após avaliação médica), que deve ser monitorada e orientada junto ao educador físico.

A monitorização da glicemia capilar é fundamental, pois partir desta medida, são realizados os ajustes nutricionais e de atividade física, sempre individualizados. Caso não haja um bom controle glicêmico, mesmo após as orientações de hábito alimentares e exercícios, deve-se utilizar das medicações hipoglicemiantes (insulina injetável ou fármacos orais).


LEIA MAIS:
O desafio do combate à obesidade infantil
Como a genética influencia o acúmulo de gordura abdominal
Brasileiros identificam mecanismo que torna Covid-19 mais grave em diabéticos