Sequelas em pacientes de Covid-19 continuam dois meses após alta hospitalar

A hospitalização é uma dura experiência para pacientes com sintomas mais graves da Covid-19. Como se não bastasse, as sequelas da doença vêm acometendo os sobreviventes, mesmo tempos depois de receberem alta. É o que constatam pesquisadores da Universidade de Michigan, nos Estados Unidos, em um estudo sobre os efeitos de longo prazo do novo coronavírus na saúde, trabalho e bem-estar.  

A pesquisa contou com análise de dados de mais de 1,2 mil internados pela Covid-19 em 38 hospitais de Michigan, entre abril e julho. O levantamento mostrou que, após dois meses do fim do tratamento, 7% haviam morrido. Se contados apenas os internados em Unidades de Terapia Intensiva, o índice subia para 10%. Já 15% acabaram voltando para o hospital no mesmo período. 

Os pesquisadores também fizeram entrevistas por telefone com 488 sobreviventes. Desse grupo, 39% disse não ter retomado as atividades normais 60 dias após a alta hospitalar. Cerca de 12% relatou que não conseguia mais cuidar de si mesmos sozinhos, ou tão bem quanto antes. Quase um quarto (23%) admitiu ficar sem fôlego ao subir ao menos um lance de escadas. Um terço continuava apresentando sintomas semelhantes aos da Covid-19, incluindo problemas com paladar ou olfato. 

“Para a maioria dos sobreviventes, era comum ter sequelas como a morbidade contínua – incluindo a incapacidade de retornar às atividades normais –, assim como sintomas físicos, emocionais, e perda financeira”, afirmam os autores do estudo, publicado pelo periódico científico Annals of Internal Medicine

Daqueles que trabalhavam antes da internação, 40% disseram não ser mais capazes de voltar ao emprego, alguns porque haviam perdido, mas a maioria devido a problemas de saúde consequentes. Pouco mais de um quarto dos que voltaram a trabalhar teve a jornada diminuída, também por razões de saúde. Quase metade dos entrevistados alegou ter sido emocionalmente afetado pela experiência com a Covid-19, incluindo uma parcela que procurou atendimento mental.  

“Esses dados sugerem que a carga do Covid-19 se estende muito além do hospital e da saúde. Os custos mentais, financeiros e físicos entre os sobreviventes parecem substanciais”, afirma Vineet Chopra, autor principal do estudo e chefe de medicina hospitalar da Universidade de Michigan. Para ele, seu trabalho indica que modelos melhores para apoio aos sobreviventes da Covid-19 são necessários. 

Mais de um terço (37%) dos entrevistados disse que sua experiência com a Covid-19 trouxe um impacto financeiro. Quase 10% disseram ter gastado a maior parte ou todas as suas economias com o tratamento, e 7% afirmaram estar racionando comida, aquecimento, moradia ou medicamentos por causa dos custos. 

“O grande número de pessoas lutando após a Covid traz uma nova urgência para o desenvolvimento de programas para apoiar a recuperação depois da doença aguda”, afirma Hallie Prescott, autora sênior e médica pulmonar na Universidade de Michigan. 


Foto: Paula Fróes/GOVBA


LEIA MAIS:
Como a pandemia mudou a dieta do brasileiro
Falar alto traz mais riscos de transmissão da covid-19
Coronavírus, gripe e resfriado: qual a diferença?

Faça um comentário

Deixe seu comentário

Artigos Relacionados

Redes Sociais

3,814FãsCurtir
603SeguidoresSeguir
56SeguidoresSeguir

Atualizações