Fake news: Anvisa alerta para venda de vacinas falsas pela internet

Na pandemia do novo coronavírus, mesmo com a divulgação de estudos e pesquisas científicas confiáveis sobre o vírus e a Covid-19, a desinformação também tomou conta das redes sociais. Desta vez, as Fake News envolvem a comercialização de vacinas.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) divulgou nota de alerta sobre a venda da vacinas falsas contra a covid-19 na Internet. A Agência diz ter tomado conhecimento dessas iniciativas pela mídia e, de acordo com as informações, o produto falsificado é oferecido em sites e também a partir de mensagens enviadas pelas redes sociais. Alguns desses criminosos prometem, inclusive, entregar o produto depois de registrado no Brasil. A Polícia Civil investiga os casos.

Até o momento, não existe nenhuma vacina contra a Covid-19 registrada e autorizada para uso emergencial no Brasil. O registro e a autorização para medicamentos são de competência da Anvisa. Ou seja, sem autorização pela Agência, a vacina não pode ser comercializada e disponibilizada à população.

Somente empresas devidamente certificadas pela Anvisa e licenciadas pela autoridade sanitária local poderão distribuir, fabricar, importar, transportar e aplicar as vacinas de Covid-19 autorizadas. “No caso de vacinas importadas, a norma sanitária prevê que a empresa importadora é responsável pela qualidade, eficácia e segurança dos lotes importados das vacinas. Cada lote importado é submetido a ensaios completos de controle de qualidade pelo fabricante e deve possuir um certificado de liberação, de acordo com as especificações estabelecidas no registro do produto junto à Anvisa.“, explica a nota.

As vacinas para consumo no Brasil devem ser avaliadas, de acordo com as normas sanitárias, quanto às condições de armazenamento e transporte, de modo que haja liberação de todos os lotes dos produtos pelo Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde (INCQS). 

A Anvisa também alerta que a falsificação de medicamentos pode ocasionar danos irreversíveis à saúde, podendo levar a morte, uma vez que não é possível verificar a segurança, a qualidade e a eficácia desses produtos.

Em caso de suspeita de Fake News, comercialização de medicamentos e vacinas não registradas, contate a Anvisa, por meio da Ouvidoria, e denuncie. É possível também denunciar estabelecimentos e fontes não autorizados pela vigilância sanitária. 


LEIA MAIS:
Vacina Coronavac tem eficácia global de 50,38% em estudo clínico
Melatonina produzida no pulmão pode impedir infecção pelo coronavírus
Saúde anuncia compra de 100 milhões de doses da Coronavac

Infohealth
Primeiro site de notícias de saúde do Brasil.

Faça um comentário

Deixe seu comentário

Artigos Relacionados

Redes Sociais

3,564FãsCurtir
603SeguidoresSeguir
56SeguidoresSeguir

Atualizações