Médicos israelenses identificam remédio promissor contra covid-19


Pesquisadores do Hospital Ichilov de Tel Aviv, em Israel, anunciaram resultados positivos em testes preliminares de um remédio experimental contra o câncer que pode ajudar pacientes hospitalizados pela Covid-19 a se recuperar mais rapidamente.

Médicos israelenses afirmaram que 95% dos casos moderados a graves tratados com o remédio – denominado EXO-CD24 – tiveram uma recuperação completa em cinco dias. Dos 30 pacientes que receberam o medicamento, 29 apresentaram uma melhora acentuada em dois dias e tiveram alta do hospital três a cinco dias depois. Um paciente também se recuperou, mas sua recuperação demorou alguns dias mais, segundo o hospital.

De acordo com o professor do Centro Integrado de Prevenção do Câncer do hospital, Nadir Arber, o medicamento é barato e eficaz e deve ser administrado uma vez ao dia, durante cinco dias. No entanto, mais testes em humanos são necessários para provar que a droga inalada – desenvolvida como um medicamento para combater o câncer de ovário – realmente funciona.

O estudo não comparou o medicamento a um placebo, o que significa que os cientistas não podem afirmar com certeza se a droga está por trás da rápida recuperação dos pacientes. No entanto, dados mostram que, em média, um paciente com coronavírus que precisa de tratamento hospitalar passa até três semanas internado. Após os resultados positivos, o hospital apelou ao Comitê de Helsinque do Ministério da Saúde para solicitar a extensão do estudo a mais pacientes.

Desenvolvido nos últimos seis meses no hospital, o EXOCD24 interrompe a “tempestade de citocinas” – onde o sistema imunológico sai do controle e começa a atacar as células saudáveis ​​- que ocorre nos pulmões de 5 a 7% dos pacientes com Covid-19.

O remédio, agora, será submetido a ensaios clínicos. Os médicos israelenses consideram que pode ser uma mudança importante na terapia contra a Covid-19.

Em Jerusalém, o Hadassah Medical Center também relatou uma possível cura para a Covid-19. O hospital administrou a 21 pacientes em estado crítico que sofriam de doenças subjacentes um medicamento chamado Allocetra. De acordo com os médicos, 19 pacientes se recuperaram em seis dias e tiveram alta do hospital em média após oito dias. A droga foi desenvolvida pelo professor e diretor do Centro de Pesquisa de Reumatologia e Medicina Interna, Dror Mevorach, para lidar com sistemas imunológicos hiperativos que causam a secreção de citocinas.


Foto: Tel Aviv Sourasky Medical Center.


LEIA MAIS:
Uso de máscaras: variantes e vacina não alteram recomendações
Máscara com sensor para detectar novo coronavírus é desenvolvida
Vacina da Oxford tem 82% de eficácia após 2ª dose, aponta estudo

Infohealth
Primeiro site de notícias de saúde do Brasil.

Faça um comentário

Deixe seu comentário

Artigos Relacionados

Redes Sociais

3,811FãsCurtir
603SeguidoresSeguir
56SeguidoresSeguir

Atualizações