Dose alta de vitamina D não melhora evolução de pacientes com Covid-19

Uma pesquisa brasileira analisou a chance de uma alta dose de vitamina D administrada na internação hospitalar ajudaria na evolução de pacientes com Covid-19 moderada ou grave. De acordo com os resultados, publicados no Journal of the American Medical Association (JAMA), não houve qualquer diferença significativa.

O ensaio clínico foi conduzido por pesquisadores da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FM-USP) com apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP). No total, participaram 240 pacientes atendidos no Hospital das Clínicas (HC-FM-USP) e no Hospital de Campanha do Ibirapuera, entre junho e agosto de 2020.

“Estudos anteriores in vitro ou com animais mostraram que a vitamina D e seus metabólitos, em determinadas situações, podem ter efeito anti-inflamatório, antimicrobiano e modulador da resposta imune. Decidimos então investigar se uma dose alta da substância poderia ter efeito protetor no contexto de uma infecção viral aguda, seja reduzindo a inflamação ou diminuindo a carga viral”, conta a pesquisadora e coordenadora do projeto, Rosa Pereira.

Os voluntários foram divididos aleatoriamente em dois grupos: parte recebeu uma única dose de 200 mil unidades de vitamina D3 diluída em óleo de amendoim e, os demais, apenas o óleo de amendoim. Todos os participantes foram tratados com o protocolo hospitalar padrão, que envolvia antibióticos e anti-inflamatórios.

O principal objetivo foi avaliar se a suplementação aguda teria impacto no tempo de internação dos doentes. Mas, segundo os pesquisadores, também se buscou avaliar se haveria redução do risco de internação em Unidade de Terapia Intensiva (UTI), intubação e morte.

Para nenhum dos desfechos clínicos avaliados foi observada diferença significativa entre os grupos. A coordenadora do projeto ressalta que o ensaio foi desenhado para avaliar principalmente o impacto no tempo de internação e que, para mensurar o efeito sobre a mortalidade de forma adequada, seria necessário um número maior de voluntários

“Até este momento, podemos dizer que não há indicação para ministrar vitamina D a pacientes que chegam ao hospital com a forma grave da Covi-19”, afirma a Rosa Pereira.

Na avaliação do pesquisador e coautor do artigo, Bruno Gualano, esses achados demonstram que por enquanto não existe uma “bala de prata” para o tratamento da doença. “Isso não significa, contudo, que o uso continuado de vitamina D não possa exercer alguma ação benéfica”, afirma.

A dose ideal de vitamina D

Atualmente, Pereira coordena um estudo que tem como objetivo avaliar se indivíduos com níveis suficientes de vitamina D circulantes no sangue lidam melhor com a infecção pelo SARS-CoV-2 do que aqueles com níveis insuficientes do nutriente.

De acordo com a pesquisadora, o nível ideal de vitamina D no sangue e a dose diária que deve ser suplementada varia de acordo com a idade e as condições de saúde de cada indivíduo. Idosos e pacientes com doenças crônicas, entre elas a osteoporose, devem ter valores circulantes acima de 30 nanogramas por mililitro de sangue (ng/mL). Já para adultos saudáveis, valores acima de 20 ng/mL seriam aceitáveis.

“O ideal é analisar caso a caso, se necessário dosar periodicamente a substância por meio de exames de sangue e, se for o caso, repor o que falta”, orienta.


LEIA MAIS:
Vacina reduz o risco de hospitalização por Covid-19, sugere estudo escocês
Imunidade pós-vacina pode demorar semanas, dizem especialistas
Covid-19 pode causar inflamação em canal localizado atrás dos testículos

Infohealth
Primeiro site de notícias de saúde do Brasil.

Faça um comentário

Deixe seu comentário

Artigos Relacionados

Redes Sociais

3,814FãsCurtir
603SeguidoresSeguir
56SeguidoresSeguir

Atualizações