Sedentarismo pode aumentar o risco de mortalidade e desenvolvimento de doenças

0
187
Foto: Freepik.com
Summertime image of healthy active retired woman smiling, stretching arm muscles after running training outdoors, posing in forest. Health, well being, age, people, sports and activity concept

A falta de exercícios físicos pode ser uma ameaça para a saúde, implicando para os riscos no desenvolvimento de inúmeras doenças. Um estudo publicado no British Journal of Sports Medicine mostrou que até 8% das mortes e doenças não transmissíveis estão relacionadas à inatividade física. 

A pesquisa encontrou evidências de que o sedentarismo está ligado ao aumento do risco de mortalidade e doenças não transmissíveis, como doença cardíaca coronária, acidente vascular cerebral, hipertensão, diabetes tipo 2, demência, depressão e diversos tipos de câncer – bexiga, mama, cólon, endometrial, esofágico, gástrico, renal. 

As avaliações do impacto na sociedade atribuídas à falta de atividades físicas foram calculadas com base na prevalência (PAR) em nível populacional para 168 países a fim de estimar quantas doenças poderiam ser evitadas se o sedentarismo fosse eliminado.

As taxas de doenças não transmissíveis atribuídas à ausência de exercícios variam de 1,6% para hipertensão a 8,1% para demência. Globalmente, 7,2% e 7,6% das mortes por todas as causas e doenças cardiovasculares, respectivamente, estão relacionadas ao sedentarismo. 

O estudo ainda indica que fatores econômicos influenciam nos resultados. Em 2016, em comparação com porcentagem dos países de baixa renda (16,2%), a prevalência da inatividade física teve mais do que o dobro dos resultados em países de alta renda (36,8%). Com o crescimento do sedentarismo em todo o mundo, 80% das mortes por doenças não transmissíveis agora estão ocorrendo em países de baixa e média renda. 

Segundo o artigo, a atividade física insuficiente foi definida como o não cumprimento das diretrizes atuais, ou seja, realizar pelo menos 150 minutos de exercícios de intensidade moderada, ou 75 minutos de atividade física de intensidade vigorosa por semana.

Os pesquisadores apontam que os “resultados enfatizam o impacto significativo na saúde pública da inatividade física nas doenças não transmissíveis, o que indica que a promoção da atividade física deve ser enfatizada na prática clínica, além dos esforços de saúde pública”.

Combata o sedentarismo

Cuidar da saúde vai muito além dos consultórios médicos. As consultas de rotinas e os exames de prevenção devem estar aliados aos cuidados da saúde no dia a dia. Para obter mais qualidade de vida e pleno funcionamento do organismo, é necessário abrir mão de hábitos que não são benéficos ao corpo. 

Por isso, para manter sua saúde em dia, procure sempre realizar alguma atividade física diariamente, como fazer caminhadas, corridas, andar de bicicleta, ir à academia ou fazer exercícios em casa. As atividades físicas combatem doenças e contribuem para uma vida mais longeva e de qualidade. É importante lembrar que uma alimentação saudável e equilibrada também é essencial, além de manter o corpo sempre hidratado.


Foto: Freepik.com


LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here