Saúde mental: priorize os cuidados com a mente

Os reflexos da pandemia de Covid-19, com as restrições sociais e as mudanças comportamentais, tiveram impacto negativo na saúde mental da população mundial. O isolamento social fez com que os cuidados com a mente se tornassem um desafio. No entanto, esse período de um pouco mais de um ano, acendeu um alerta para a importância de cuidar ainda mais da saúde mental, que muitas vezes não priorizamos ou deixamos passar despercebida.  

A psicóloga, terapeuta integrativa e consteladora familiar Vanessa Ebeling explica que as terapias são recursos que buscam auxiliar o indivíduo a lidar com questões de natureza pessoal, emocional, afetiva, comportamental, familiar, social, profissional, existencial ou situacional. “A terapia remove ou alivia sintomas, amenizando o sofrimento desencadeado por conflitos psicológicos, crises relacionadas ao ciclo vital ou alguma desordem provocada por dificuldades situacionais”, diz.

Os tratamentos terapêuticos promovem inúmeros benefícios ao paciente, auxiliando na melhora da autoestima, com a construção de uma boa relação consigo mesmo e no convívio social. Contribui para o autoconhecimento, crescimento pessoal e no desenvolvimento de novas habilidades emocionais, cognitivas e comportamentais. Além do mais, dá suporte para o enfrentamento de situações de crise causadas pelas adversidades da vida, expandindo a consciência e ressignificando conflitos, explica Vanessa Ebeling.

Diferenciando tristeza e depressão

Muitas vezes nos questionamos sobre os nossos sentimentos, e, por vezes, diferenciar um sentimento de tristeza de um estado depressivo pode gerar muitas dúvidas. A terapeuta integrativa explica que a tristeza é situacional, isto é, pode ser causada por decepções, frustrações, perdas ou momentos desagradáveis do dia a dia. “A tristeza é contextualizada, limitando-se a um estado de humor baixo com a tendência de normalizar em algumas horas ou em poucos dias dependendo do motivo. A tristeza é um estado, não é incapacitante e não apresenta outros sintomas associados”.

A depressão, por sua vez, é uma doença psiquiátrica provocada por uma desordem neuroquímica, causando impacto na vida de uma pessoa, capaz de comprometer a rotina, hábitos, relações e, principalmente, a produtividade. “O que difere a tristeza da depressão é justamente o tempo de duração e outros sintomas que acompanham a doença, além da tristeza, desânimo ou apatia crônica na maior parte do dia.  Em alguns casos, o início dos sintomas pode ser mais leve, porém a tendência é que sejam agravados, causando prejuízos nas diferentes áreas da vida”, esclarece Vanessa.

Os sintomas de depressão podem variar de pessoa para pessoa, contudo, os mais recorrentes são:

  • Pensamentos negativos;
  • Sentimento de culpa;
  • Desesperança;
  • Insônia, sono excessivo ou agitação;
  • Alterações do apetite;
  • Dificuldades para organizar os pensamentos, se concentrar e tomar decisões;
  • Isolamento;
  • Perda do interesse por atividades prazerosas;
  • Sensação de cansaço, fadiga ou falta de energia.

Atividades que melhoram a saúde mental

Além de buscar auxílio de um profissional, alguns hábitos diários são capazes de manter a saúde mental em dia.  A pessoa que mantém uma rotina semanal, envolvendo momentos de lazer e atividades prazerosas, alivia a mente de estresses causados no dia a dia. Ter noites de sono de qualidade, uma boa alimentação, realizar meditações, escutar música, cuidar de um animal de estimação e, sobretudo, manter contato com as redes de apoio social e familiar também são atividades que contribuem para preservar um bom estado mental, aponta a psicóloga. 

Reduzindo as crises de ansiedade 

Controlar a ansiedade nem sempre é uma tarefa fácil, principalmente no atual cenário que estamos enfrentando. Porém, a profissional sugere algumas dicas que podem auxiliar no controle da ansiedade, mas ressalta que, ao observar que está sendo difícil controlar os sintomas, o mais indicado é procurar a ajuda de um profissional. 

Como controlar:

  • Evite as notícias sensacionalistas. Foque em outras coisas para ocupar o tempo e a mente.
  • Foque no agora e não antecipe os acontecimentos futuros. Concentrar a atenção no que ainda não aconteceu só aumenta a ansiedade. 
  • Abra mão do controle e aceite que o que não está no seu alcance é capaz de mudar.
  • Não alimente preocupações ou pensamentos improdutivos. 
  • Evite tomar muito café e bebidas alcoólicas, estes aumentam a ansiedade. 
  • Crie hábitos que aumentem a qualidade do seu sono. O sono regula os níveis de estresse. 
  • Faça exercícios de respiração várias vezes ao dia. A respiração alivia a ansiedade.
  • Faça meditação guiada e exercícios de relaxamento. 
  • Trace objetivos diários e semanais. Foque em estratégias para que possam ser cumpridas.

Pandemia: mantenha sua mente estável 

Busque pelo equilíbrio e estabilidade mental. Sabemos que, diante dos acontecimentos no Brasil e no mundo, com uma avalanche de notícias nada satisfatórias, é um desafio difícil não se sentir afetado. No entanto, tente filtrar seus pensamentos e não absorva sentimentos ruins. 

O isolamento social provoca sensações de solidão e sufocamento, por isso, é importante não se isolar e manter contato com pessoas que você goste. “Procure manter contato frequente com os amigos e familiares mesmo que seja on-line. Marque jantares, cafés da tarde e encontros por videoconferências”, recomenda a terapeuta.

A psicóloga ainda dá outras dicas para manter a mente estável durante a pandemia:

  • Aceite sua impotência em relação a algo maior que não está no nosso controle. 
  • Mantenha o máximo possível da rotina diária em relação aos horários e hábitos.
  • Aproveite  para fazer  coisas que normalmente  você não encontra tempo para  fazer. 
  • Evite a procrastinação. Mesmo com preguiça ou sem vontade , ative o comportamento e seja produtivo. 
  • Seja criativo. Busque aprender coisas novas e novos interesses. 
  • Não fique parado, busque seu aprimoramento pessoal ou profissional através de estudo, leituras ou cursos on-line.
  • Exercite o corpo mesmo em casa. Faça exercícios localizados, alongamento e yoga, usando aplicativos ou vídeos no YouTube.
  • Tome sol. O sol além de energizar é fonte natural de vitamina D.

Não esqueça: use os momentos de isolamento social para praticar o autocuidado, para se conhecer melhor e reavaliar sua vida. “Por mais difícil que seja, cultive bons sentimentos e bons pensamentos. Viva um dia de cada vez”, conclui Vanessa. 

Onde buscar atendimento

Não é todo mundo que consegue arcar com os custos que envolvem sessões de terapia particular. Todavia, é possível encontrar atendimentos psicológicos gratuitos disponíveis no Sistema Único de Saúde (SUS), através dos recursos da Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PnPiC) ou nos Centros de Atenção Psicossocial (CAPS). Existem, também, instituições, como faculdades de psicologia ou ONGs, que oferecem apoio psicológico a baixo custo.


Foto: Freepik.com


LEIA MAIS:
Os cuidados que você não pode deixar de ter com a sua saúde mental
Quando ir ao psicólogo?
6 dicas para melhorar a felicidade durante o isolamento social
Pandemia e suicídio

Bruna Faraco
Jornalista formada pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), radialista e fotógrafa.

Faça um comentário

Deixe seu comentário

Artigos Relacionados

Redes Sociais

3,811FãsCurtir
603SeguidoresSeguir
56SeguidoresSeguir

Atualizações