Estudo indica que mulheres sentem menos prazer no exercício físico durante período pré-menstrual

0
149
Girl in a gym. Woman on a racetrack. Lady in a black top.

A prática de exercícios físicos proporciona sensações de felicidade e bem-estar, uma vez que o organismo libera a endorfina – o hormônio do prazer. No entanto, um estudo realizado pela Escola de Artes, Ciências e Humanidades (EACH) da Universidade de São Paulo (USP) identificou que mulheres sentem menos prazer fazendo exercícios físicos na fase pré-menstrual. Os resultados da pesquisa foram divulgados no Jornal da USP.

O trabalho faz parte do mestrado do pesquisador Raul Cosme Ramos Prado, pioneiro na área. O artigo foi publicado na revista científica Physiology and Behavior.

O estudo avaliou o estado psicofisiológico de mulheres antes, durante e após a prática de exercícios físicos, ao longo do ciclo menstrual. Fatores como a percepção de esforço, prazer e ansiedade foram analisados durante as atividades em diferentes intensidades. 

A análise levou em consideração dois pontos do ciclo menstrual: a fase lútea (pré-menstrual) e a folicular (período entre o primeiro dia da menstruação e a ovulação). Os resultados da pesquisa apontam que as mulheres demonstram respostas psicológicas piores ao longo do período pré-menstrual, que tem início após a fase ovulatória.

A pesquisa

A pesquisa foi realizada com 14 participantes maiores de idade, saudáveis, com ciclo menstrual regular (25 a 33 dias) e fisicamente ativas.

Durante as fases folicular e lútea, elas foram submetidas a sessões de exercícios em uma esteira, durante 15 minutos, com intensidades severa ou moderada. Além do mais, os pesquisadores do estudo deram um termômetro para cada participante, com o objetivo de medir a temperatura basal, que varia durante o ciclo.

Cada sessão acontecia cinco dias antes e cinco dias após a menstruação. Durante os exercícios, os níveis de oxigênio e gás carbônico das participantes eram analisados, para medir os retornos fisiológicos. Um questionário que mede a resposta psicológica também foi utilizado na pesquisa, com o intuito de medir a tensão, a ansiedade e o prazer relacionados à prática dos exercícios. 

Ainda durante a sessão, os pesquisadores mediram a percepção de esforço, através de uma escala de 15 pontos, de 6 a 20, para indicar a intensidade do esforço que as participantes estavam sentindo que faziam. 

Resultados da pesquisa

Os resultados indicaram que no período pré-menstrual as mulheres apresentaram maior ansiedade, tensão, depressão, hostilidade e menor excitação, afeto e motivação antes dos exercícios. Os pesquisadores notaram que o prazer foi negativo na escala usada. Além do mais, a percepção de esforço realizado foi outra medida sentida pelas participantes na fase pré-menstrual. 

“Resumindo, as participantes sentiam mais esforço e menos prazer fazendo o exercício quando estavam na fase lútea do ciclo menstrual, ou seja, a fase pré-menstrual do ciclo”, explicou o pesquisador ao Jornal da USP.

O pesquisador ainda notou que as respostas fisiológicas, como esforço e reações químicas do corpo, não foram alteradas entre as fases. Não ocorreu maior esforço fisiológico nos exercícios, apesar de a percepção das participantes tenha indicado esse aspecto, na fase lútea. Ramos Prado explica que as respostas psicológicas podem estar promovendo essas alterações.

“As respostas psicofisiológicas têm uma forte relação com a permanência na prática de exercício por mais tempo. Nossos resultados sugerem que há a necessidade de os profissionais se atentarem ao monitoramento do ciclo menstrual e considerarem as autopercepções das mulheres e suas particularidades durante o programa de treinamento. Com isso, o condicionamento físico de cada uma poderá ser melhorado em virtude também de sua permanência por mais tempo no exercício”, disse Ramos Prado ao Jornal da USP.


Foto: Freepik.com


LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here