Quem já teve dengue tem mais chances de ter Covid-19 sintomática, aponta estudo


Estudo coordenado pela Universidade de São Paulo (USP) aponta que as pessoas que já tiveram dengue anteriormente são duas vezes mais propensas a desenvolver sintomas da Covid-19 quando infectadas pelo vírus.

A pesquisa, coordenada pelo professor do Instituto de Ciências Biomédicas (ICB) da USP Marcelo Urbano Ferreira, com apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), foi divulgada na revista científica Clinical Infectious Diseases.  

O professor e pesquisador disse à Agência Fapesp que os resultados do estudo demonstram que as populações mais expostas à dengue correm mais risco de adoecer se forem infectadas pelo novo coronavírus. “Este é um exemplo do que tem sido chamado de sindemia [interação sinérgica entre duas doenças de modo que uma agrava os efeitos da outra]: por um lado, a Covid-19 tem atrapalhado os esforços de controle da dengue, por outro, esta arbovirose parece aumentar o risco para quem contrai o novo coronavírus”.

O estudo

A pesquisa foi realizada com 1.285 participantes, todos residentes da cidade de Mâncio Lima, no Acre. Análises de amostras de sangue foram obtidas em novembro de 2019 e novembro de 2020. 

O material coletado foi submetido a testes capazes de detectar anticorpos contra os quatro sorotipos da dengue e também contra o novo coronavírus. As análises apontaram que 37% dos participantes já haviam contraído a dengue até novembro de 2019 e 35,2% já haviam sido infectados pelo SARS-CoV-2 em 2020. 

“Por meio de análises estatísticas, concluímos que a infecção prévia pelo vírus da dengue não altera o risco de um indivíduo ser contaminado pelo SARS-CoV-2. Por outro lado, ficou claro que quem teve dengue no passado apresentou mais chance de ter sintomas uma vez infectado pelo novo coronavírus”, explicou à Agência Fapesp a pós-doutoranda no ICB-USP e primeira autora do artigo, Vanessa Nicolete.

Os pesquisadores do estudo não sabem precisar as causas do fenômeno descrito no artigo. Eles concluíram que epidemias sequenciais de dengue e Covid-19 impõem uma carga extra de doença para populações amazônicas, sem nenhuma evidência de que as infecções causadas pela dengue tenham proteção cruzada contra a Covid-19.


Foto: Pixabay


Bruna Faraco
Jornalista formada pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), radialista e fotógrafa.

Faça um comentário

Deixe seu comentário

Artigos Relacionados

Redes Sociais

3,814FãsCurtir
603SeguidoresSeguir
56SeguidoresSeguir

Atualizações