Sancionada lei que determina afastamento de gestantes do trabalho presencial


O presidente Jair Bolsonaro sancionou nesta quarta-feira, 12, lei que garante o afastamento de atividades presenciais de trabalhadoras grávidas durante o período de pandemia, sem prejuízo na remuneração. A Lei 14.151 foi publicada no Diário Oficial da União desta quinta-feira, 13.

De acordo com o texto, a empregada afastada deverá permanecer à disposição do empregador para realizar as atividades profissionais por meio de trabalho remoto durante a emergência de saúde pública.

O projeto de lei,  de autoria da deputada Perpétua Almeida (PCdoB-AC), foi relatado no Senado pela senadora Nilda Gondim (MDB-PB) e aprovado pelo Congresso Nacional no dia 15 de abril.

Segundo a Agência Senado, durante a discussão da matéria no Senado, a senadora Nilda argumentou que o avanço da pandemia no país, com ampliação considerável do número de vítimas e de ocupação de UTIs hospitalares, levou à necessidade de se pensar em uma alternativa para reduzir os riscos à gestante e ao feto. Ela ainda ressaltou que atualmente o maior risco laboral para o trabalhador é a contaminação por Covid-19, e o risco de complicações é ainda maior para as empregadas gestantes.

Em abril, o Ministério da Saúde incluiu  gestantes e puérperas no grupo prioritário da Campanha Nacional de Vacinação contra a Covid-19, em decorrência do risco de hospitalizações e óbitos pelo novo coronavírus desse grupo.


Foto: Freepik.com


Bruna Faraco
Jornalista formada pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), radialista e fotógrafa.

Faça um comentário

Deixe seu comentário

Artigos Relacionados

Redes Sociais

3,814FãsCurtir
603SeguidoresSeguir
56SeguidoresSeguir

Atualizações