Homem cego há 40 anos recupera visão parcial com terapia optogenética

0
140

Depois de 40 anos vivendo com a cegueira, um homem voltou a enxergar parcialmente após realizar um tratamento de terapia optogenética e com o uso de um óculos de proteção especialmente projetado. Foi a primeira vez que os médicos usaram a terapia para restaurar a visão parcial de uma pessoa cega.

Ele foi diagnosticado, aos 18 anos de idade, com uma doença chamada retinite pigmentosa. De acordo com um novo relatório publicado na revista científica Nature Medicine, a retinite pigmentosa (RP) é uma doença progressiva, de origem hereditária, monogênica ou raramente digênica, causada por mutações em mais de 71 genes diferentes. Essas mutações fazem com que as células sensíveis à luz na retina na parte posterior do olho se rompam. A condição afeta mais de 2 milhões de pessoas em todo o mundo. 

Segundo os pesquisadores, em uma tentativa de tratar a perda de visão do homem, os cientistas inseriram genes que codificam para uma proteína sensível à luz em um vírus modificado e, logo após, injetaram os vetores virais geneticamente modificados em um de seus olhos. 

Com o uso de óculos especiais, que captam as mudanças na intensidade da luz do ambiente, o homem de 58 anos passou da cegueira total para ser capaz de detectar um caderno, xícara, caixa de grampos, copos de vidro e até mesmo as listras de uma faixa de pedestres.

No entanto, ele  começou a treinar com os óculos cerca de 4 a 5 meses após a injeção e começou a relatar melhorias em sua visão apenas 7 meses depois, informou o grupo de pesquisadores.

“Este paciente inicialmente ficou um pouco frustrado porque levou muito tempo entre a injeção e o tempo em que começou a ver algo. Porém, quando ele começou a relatar espontaneamente, ele foi capaz de ver as listras brancas do outro lado da rua, você pode imaginar que ele estava muito animado. Estávamos todos entusiasmados”, disse à BBC o autor principal do estudo, Jose-Alain Sahel, presidente de oftalmologia da Universidade de Pittsburgh. 

Apesar dos resultados animadores, a visão do homem ainda é bastante limitada, pois ele só pode enxergar imagens monocromáticas e em uma resolução considerada muito baixa. Os pesquisadores ainda alertaram que a visão do homem não deve se recuperar o suficiente para ser capaz de ler ou reconhecer rostos. 

Contudo, o pesquisador sênior e diretor fundador do Instituto de Molecular e Clinical Ophthalmology Basel na Suíça, Botond Roska, disse à BBC que “as descobertas fornecem uma prova de conceito de que o uso da terapia optogenética para restaurar parcialmente a visão é possível”.

Segundo os pesquisadores, outros pacientes foram injetados com essa terapia genética, mas em decorrência da pandemia de Covid-19, a capacidade de viajarem para centros médicos onde poderiam treinar com os óculos de proteção especiais foi prejudicada. “Por causa do Covid-19, apenas este paciente foi tratado a tempo de poder testar os óculos e ser treinado e levado de volta ao hospital e testado adequadamente”, disse Sahel.


Foto: Nature Medicine


LEIA MAIS:
Realidade virtual ajuda pacientes pós-Covid-19 na recuperação de sequelas no Hospital São Lucas da PUCRS
Empresa holandesa desenvolve bafômetro para detectar Covid-19
Tecnologia brasileira reduz em 80% o uso do ‘pulmão artificial’ em pacientes com insuficiência respiratória aguda

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here