Reino Unido aprova uso de pílula antiviral para tratamento da Covid-19


A agência reguladora de medicamentos do Reino Unido aprovou, nesta quinta-feira (04), o uso de uma pílula antiviral para tratamento da Covid-19, desenvolvida em conjunto pela farmacêutica Merck, conhecida no Brasil como MSD, e pela Ridgeback Biotherapeutic, dos Estados Unidos. O país se tornou o primeiro no mundo a aprovar um antiviral para o tratamento da doença.

Em comunicado à imprensa, a  Agência Reguladora de Medicamentos e Produtos de Saúde (MHRA) britânica informou que o antiviral, chamado Lagevrio (molnupiravir), é seguro e eficaz para a redução do risco de hospitalização e morte em pessoas com Covid-19 leve a moderada que apresentam risco aumentado de desenvolver a forma grave da doença. 

“Após uma revisão rigorosa dos dados por nossos cientistas e médicos especialistas, estamos satisfeitos que o Lagevrio (molnupiravir) é seguro e eficaz para aqueles em risco de desenvolver doença COVID-19 grave e demos sua aprovação. Sem comprometer a qualidade, segurança e eficácia, o público pode confiar que a MHRA conduziu uma avaliação robusta e completa dos dados”, disse a chefe da MHRA, June Raine, em comunicado.

A eficácia do antiviral torna-se maior quando tomado durante os estágios iniciais da infecção e, por isso, o órgão regulador britânico recomenda a administração do fármaco o mais rápido possível após um teste para Covid-19 com resultado positivo e dentro de cinco dias do início dos sintomas

O uso do medicamento foi autorizado para pacientes com Covid-19 leve a moderada e com pelo menos um fator de risco para o desenvolvimento grave da doença, como obesidade, diabetes, idade avançada (acima dos 60 anos) e doenças cardíacas.

A agência britânica comunicou que a autorização condicional de comercialização da MHRA para o antiviral é válida apenas na Grã-Bretanha (Inglaterra, País de Gales e Escócia), em vigor desde 1º de janeiro. Além disso, uma autorização de uso emergencial foi concedida à Irlanda do Norte, visando  garantir o acesso do medicamento em todo o Reino Unido. No mês passado, o Reino Unido fechou acordo com a MSD para adquirir 480 mil tratamentos com o molnupiravir. 

A farmacêutica informou que deve produzir 10 milhões de doses do antiviral até o final de 2021, com ao menos 20 milhões a serem produzidas no próximo ano. 


Foto: Divulgação/MSD


LEIA MAIS
Cientistas descobrem a causa da progressão do Alzheimer no cérebro
Cientistas da USP identificam enzimas que podem combater resistência antimicrobiana

Bruna Faraco
Jornalista formada pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), radialista e fotógrafa.

Faça um comentário

Deixe seu comentário

Artigos Relacionados

Redes Sociais

3,814FãsCurtir
603SeguidoresSeguir
56SeguidoresSeguir

Atualizações