Marca-passo cardíaco: como funciona e quando é indicado

0
82

O coração é um músculo que tem como função primordial o bombeamento e a distribuição do sangue para todo o corpo. Ele é dividido em duas bombas que atuam em conjunto: o lado esquerdo realiza o bombeamento do sangue com oxigênio e nutrientes para todos os tecidos e órgãos vitais do organismo; o lado direito, por sua vez, é o que recebe o sangue venoso (sem oxigênio) e o bombeia para os pulmões, que eliminam os resíduos de dióxido de carbono presentes no sangue, assim, realizando a oxigenação sanguínea. 

O batimento cardíaco é realizado por meio do impulso do marca-passo natural, chamado de nó sinoatrial ou sinusal. Esses impulsos são transportados por feixes elétricos (vias de células especializadas) das câmaras superiores para as inferiores para que possam se contrair. Os  valores normais do ritmo cardíaco variam entre 60 a 100 batimentos por minuto em repouso. 

No entanto, existem condições cardíacas que afetam esse ritmo, como a insuficiência cardíaca e arritmia grave. Nessas doenças, o ritmo cardíaco é irregular ou lento – abaixo de 60 batimentos por minuto -, termo médico denominado por bradicardia. Isso ocorre porque o coração não possui força suficiente para bombear o sangue rico em oxigênio para o organismo, o que pode ocasionar complicações. 

Para ajudar a manter o ritmo dos batimentos cardíacos dentro dos valores normais e realizar o monitoramento do órgão, o implante de um aparelho chamado marca-passo cardíaco é uma alternativa. 

Função do marca-passo cardíaco

O marca-passo cardíaco é inserido cirurgicamente junto ao coração com o objetivo de evitar que o órgão tenha dificuldade para bombear o sangue para o organismo, restaurando a frequência cardíaca e aliviando os sintomas como dificuldade para respirar e cansaço excessivo.

O aparelho contém um gerador de pulsos elétricos composto por eletrodos. Os eletrodos são fios elétricos finos que desempenham o papel de gerar impulsos elétricos até o coração. O marca-passo funciona à base de um gerador que pode durar, em média, de 5 a 10 anos, variando conforme sua utilização. 

Ele pode ser provisório, para os casos em que é necessário tratar alterações cardíacas por causas específicas, como pelo uso de medicamentos, ou pode ser definitivo, quando é preciso controlar condições a longo prazo, como doenças congênitas ou bloqueios graves.

Quando o uso é indicado

O implante do marca-passo é indicado por um médico cardiologista quando o paciente apresenta condições que causam a bradicardia, isto é, o ritmo cardíaco irregular ou lento – abaixo de 40 batimentos por minuto -, com pausas longas e sintomáticas. Geralmente essa condição engloba doenças como cardiovasculares:

  • insuficiência cardíaca ou arritmia graves;
  • doença do nó sinusal;
  • bloqueio bifascicular crônico ou atrioventricular;
  • doença cardíaca congênita;
  • cardiomiopatia hipertrófica;
  • hipersensibilidade do seio carotídeo;
  • síncope neurocardiogênica.

No entanto, a colocação do marca-passo não é necessariamente indicada em todos os casos. O cardiologista solicita uma série de exames para melhor avaliar o problema. De modo geral, outros tratamentos são indicados para tratar a bradicardia antes do paciente ser submetido a uma cirurgia de implante.

Cuidados

Após o procedimento cirúrgico para colocação do marca-passo cardíaco, que é realizado por um cirurgião cardíaco, alguns cuidados devem ser tomados. Por ser um procedimento simples, que leva, em média, uma ou duas horas, o paciente pode retornar para casa um dia após a realização da cirurgia. É necessário que o paciente fique em repouso por 30 dias, podendo retornar às suas normais atividades após esse período.

Outros cuidados também devem ser seguidos durante o período de recuperação, bem como mudanças no estilo de vida:

  • Realizar consultas de retorno com o cardiologista.
  • Carregar o cartão com as informações do marca-passo e contatos emergenciais.
  • Seguir o tratamento medicamentoso adequadamente, conforme indicado pelo cardiologista.
  • Não realizar muitos movimentos bruscos que envolvam o braço do lado em foi colocado o marca-passo.
  • Evitar praticar atividades que demandam muito esforço físico nos 3 primeiros meses após a cirurgia.
  • Evitar usar aparelhos eletrônicos muito próximo do lado que está o marca-passo –  colocá-los a uma distância de 15 cm do corpo.
  • Sempre informar profissionais de saúde sobre o uso do marca-passo.

Foto: Freepik


LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here